Participação dos profissionais de saúde na preservação de vestígios sob a ótica da perícia oficial

Authors

  • Juliana de Oliveira Musse
  • Aloísio Olímpio
  • Karen Ruggeri Saad
  • Erinaldo Luiz Andrade
  • Cristina Nunes Capeloa
  • Maria José dos Reis
  • Carlos Alberto Ocon
  • Adriana Paula Jordão Isabella
  • Fernanda Sebastiana Mendes Pitanga
  • Magda Rodrigues Leal
  • Cristina Braga
  • Marcelo Marreira
  • Maria Aurora Dias Gaspar
  • Claudia Cristina Soares Muniz
  • Eduardo Filoni
  • Victor Santana Santos
  • Claudia Moura de Melo
  • Christian Douradinho
  • Marcia Kiyomi Koike

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n3-025

Keywords:

ciência forense, profissionais de saúde, violência

Abstract

Introdução: Os profissionais de saúde que trabalham nos Serviços de Urgência e/ou Emergência, ao atenderem pessoas vítimas de violência, possuem a potencialidade tanto de preservar adequadamente os vestígios forenses quanto de destruírem ou comprometerem a sua qualidade, inviabilizando a sua utilização como evidência durante uma investigação criminal. Objetivo: A pesquisa teve como objetivo compreender a participação dos profissionais de saúde de urgências/emergências na preservação de vestígios forenses na ótica dos peritos oficiais. Métodos: Estudo exploratório, qualitativo, realizado em no Instituto de Criminalística, no Instituto Médico Legal e Instituto de Análises e Pesquisas Forenses do Estado de Sergipe, com doze peritos oficiais, de um total de 30 que atuam em Sergipe. A coleta dos dados foi realizada entre os meses de janeiro a julho de 2019, por meio de entrevista. As entrevistas foram previamente agendadas, audiogravadas e realizadas no ambiente de trabalho após autorização dos sujeitos e da assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). As entrevistas foram transcritas integralmente, armazenadas em um software ebQDA, como ferramenta de apoio para o levantamento das categorias e subcategorias, e, analisadas por meio do Conteúdo de Bardin. Resultados: A partir da análise realizada surgiram três categorias: A participação dos profissionais de saúde na preservação de vestígios forenses, Diálogos Interinstitucionais e Participação do profissional de saúde na cadeia de custódia. No que concerne a perda de evidências materiais durante o atendimento à saúde das vítimas, observa-se nas falas dos participantes que muitos vestígios presentes no corpo do paciente são frequentemente perdidos/negligenciados, principalmente roupas e projéteis de arma de fogo. Os peritos de local de crime ressaltaram como fator limitante para o seu processo de trabalho o comprometimento de vestígios em decorrência da manipulação da cena de atendimento à vítima pela equipe do Serviço Móvel de Urgências. Conclusões: Com a realização desse estudo foi possível compreender a percepção dos peritos oficiais quanto a participação dos profissionais de saúde na preservação e/ou comprometimento dos vestígios forenses no contexto do atendimento das vítimas de violência nos estabelecimentos de urgência/emergência de saúde.

References

ALSAIF, D. M.; ALFARAIDY, M.; ALSOWAYIGH, K.; ALHUSAIN, A.; ALMADANI, O. M

Forensic experience of Saudi nurses; an emerging need for forensic. Qualification a Center of Forensic and Legal Medicine. Journal of Forensic and Legal Medicine 2014; 27, 13-16. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jflm.2014.07.004

ASCI, O.; HAZAR, G.; SERCAN, I. The approach of prehospital health care personnel working at emergency stations towards forensic cases. Turk J Emerg Med 2015; 15(3):131-135. DOI: https://doi.org/10.1016/j.tjem.2015.11.007

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7.958, de 13 de março de 2013. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF; 14 mar. 2013. Seção 1, p. 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 82, de 28 de Julho de 2014. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF; 28 jul. 2014b; Seção 1, p. 19699.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 288, de 25 de março de 2015a. Diário Oficial [da] União. Brasília, DF; 06 out. 2015a. Seção 1, p. 26.

BRASIL. Ministério da Saúde, Ministério da Justiça, Secretaria de Políticas para as Mulheres/PR. Norma Técnica Atenção Humanizada Às Pessoas Em Situação De Violência Sexual Com Registro De Informações E Coleta De Vestígios. 2015b. 1ª Edição Brasília – DF.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo de Suporte Avançado de Vida. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Brasília, 2a edição, 2016a.

BRASIL. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Protocolo de Suporte Básico de Vida. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Brasília, 2a edição, 2016b.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2012, 229 p.

COSTA, N.B. Atitude Médica Perante Uma Vítima De Ferimento Por Arma De Fogo: Como Proceder. [Dissertação]. Portugal: Universidade de Porto; 2010.

CORDOMA, J.V. Exploring and Understanding the Factors that May Influence the Outlook of Registered Nurses Regarding Potential Criminal Evidence Identification, Collection and Preservation on Patients Presented to Them. [Dissertação]. Nova Jersey: Seton Hall University; 2016.

EISERT, P., ELDREDGE, K., HARTLAUB, T., HUGGINS, E., KEIRN, G., OBRIEN, P. et al.

CSI: New @ York, Development of Forensic Evidence Collection Guidelines for the Emergency Department. Crit Care Nurs Q 2010; 33: 190-199. DOI: https://doi.org/10.1097/CNQ.0b013e3181d913b4

FORESMAN-CAPUZZI, J. CSI & U: collection and preservation of evidence in the emergency department. J Emerg Nurs 2014; 40(3): 229-236. DOI: https://doi.org/10.1016/j.jen.2013.04.005

GONÇALVES, S.I.F. Vivências dos Enfermeiros na Manutenção de Provas Forenses no Serviço de Emergência. [Dissertação] Portugal: Universidade do Porto; 2011.

GOMES, C.I.A. Preservação dos vestígios forenses: conhecimentos e práticas dos Enfermeiros do Serviço de Urgência e/ou Emergência. [Dissertação]. Portugal: Universidade de Coimbra; 2016

HENDERSON, E.; HARADA, N.; AMAR, A. Caring for the forensic population: recognizing the educational needs of emergency department nurses and physicians. J Forensic Nurs 2012; 8(4): 170-177. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1939-3938.2012.01144.x

KILINÇLI, T.; MIRZA, E. Approach to Material Evidences and Protection of Material Evidences in Emergency Healthcare Services. International Journal of Health Administration and Education Congress (Sanitas Magisterium) 2018, 3(2): 56-60.

MISHORI, R. et al. Justice: Preliminary Development of a Mobile App for Medical-Forensic Documentation of Sexual Violence in Low-Resource Environments and Conflict Zones. Glob Health Sci Pract, v 28, n 5, p.138-151, 2017. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.9745/GHSP-D-16-00233

<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28351881> Acesso em 05 out. 2018.

PEREIRA, J. S. Enfermagem Forense no Centro Hospitalar de Leiria Realidade dos Serviços de Urgência. Instituto Politécnico De Leiria. Escola Superior De Saúde De Leiria. 2017. Disponível em:< https://iconline.ipleiria.pt/handle/10400.8/3064.> Acesso em: 05 out. 2018.

PEEL, M. Opportunities to preserve forensic evidence in emergency departments. J Emerg Nurs 2017; 24(7): 20-26. DOI: https://doi.org/10.7748/en.2016.e1618

ROSA, C.T.A. Os vestígios psicológicos ou comportamentais na cena de crime: uma evidência subutilizada no arcabouço pericial brasileiro. Rev Bras Criminol 2015; 4(3): 15-27. DOI: https://doi.org/10.15260/rbc.v4i3.93

SILVA, C. J. C. Os Enfermeiros e a preservação de vestígios perante vítimas de agressão sexual, no serviço de urgência. [Dissertação]. Portugal: Universidade do Porto; 2010.

SILVA, P.S.S. Os Vestígios no Local do Crime e sua Relevância Médico-Legal face aos Interventores Extra – hospitalares. [Dissertação]. Portugal: Universidade do Porto; 2014.

SREENIVAS, M. Justice for sexual assault survivors – Role of healthcare professionals. J Curr Med Res Pract 2018; 8(3): 85-87. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cmrp.2018.05.008

SYMONDS, A.; OLDHAM, J.A. Sexual assault can happen in your facility: Are you prepared?

Nursing 2015; 45: 30–36. DOI: https://doi.org/10.1097/01.NURSE.0000473391.13435.97

TOZZO, P.; PONZANO, E.; SPIGAROLO, G.; NESPECA, P.; CAENAZZO, L. Collecting

sexual assault history and forensic evidence from adult women in the emergency department: a retrospective

Downloads

Published

2023-10-09

How to Cite

MUSSE, J. de O.; OLÍMPIO, A.; SAAD, K. R.; ANDRADE, E. L.; CAPELOA, C. N.; DOS REIS, M. J.; OCON, C. A.; ISABELLA, A. P. J.; PITANGA, F. S. M.; LEAL, M. R.; BRAGA, C.; MARREIRA, M.; GASPAR, M. A. D.; MUNIZ, C. C. S.; FILONI, E.; SANTOS, V. S.; DE MELO, C. M.; DOURADINHO, C.; KOIKE, M. K. Participação dos profissionais de saúde na preservação de vestígios sob a ótica da perícia oficial. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 1017–1031, 2023. DOI: 10.46919/archv4n3-025. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1425. Acesso em: 19 may. 2024.