Avaliação da eficácia de uma receita de garrafada indicada para tratar inflamações do útero e bexiga, disponível na internet

Authors

  • Camilo Hinojosa Milanés
  • Esther Maria Ferreira Lucas
  • Fátima de Cássia Oliveira Gomes
  • Ildefonso Binatti

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv6n1-024

Keywords:

garrafadas, ESI-MS, fitoquímica

Abstract

 

O uso de plantas medicinais é uma abordagem terapêutica corriqueira, considerada popularmente como uma prática segura e eficaz. As “garrafadas” são as formas mais comuns de fitoterápicos de preparo caseiro, havendo na Internet, várias receitas, porém em nenhuma delas há informações sobre a validação de sua eficácia. Estas preparações só exercerão efeito se os metabólitos vegetais bioativos estiverem presentes em dose terapêutica. Os metabólitos, presentes em uma espécie vegetal fresca podem ser perdidos por volatilização ou sofrer reações de degradação nos processos de coleta e secagem das plantas e durante a produção e armazenamento da garrafada. Além disto, os processos de extração empregados podem não ser eficientes, comprometendo a presença e concentração dos metabólitos. Neste projeto, foi realizada a avaliação da receita de uma garrafada para tratar inflamações do útero e bexiga, disponível na internet. Na revisão bibliográfica, foi pesquisado o embasamento científico para ou uso das plantas indicadas na receita (barbatimão, calêndula, cavalinha, hortelã e trapoeraba). Na parte experimental, foram preparados os extratos metanólicos de cada espécie vegetal e a receita da garrafada, tal qual é descrita na internet, para verificar a presença dos marcadores químicos destas espécies. O perfil químico de cada um dos sistemas foi verificado por Espectrometria de Massas com Ionização por Eletronspray (ESI -MS). A revisão bibliográfica indicou que todas as espécies presentes na receita apresentavam várias substâncias com atividades farmacológicas comprovadas, relacionadas ao tratamento de inflamações e infecções, justificando, em princípio, sua indicação. Nas soluções metanólicas de cada espécie vegetal foi verificada a presença dos marcadores químicos, certificando a identificação botânica das amostras vegetais. Na garrafada, entretanto, foram encontrados 14 metabólitos, dos quais oito apresentam relatos na literatura de ação anti-inflamatória: ácido salicílico, ácido aspártico, tocoferol (Vitamina E), carvona, espatulenol, cariofileno e copaeno e mentofurano. Foi possível concluir que a metodologia de preparo da garrafada não garante uma extração efetiva dos metabólitos vegetais, uma vez que esta apresentou um número reduzido de metabólitos, em comparação com os extratos metanólicos. Porém, mesmo assim foi verificada a presença de metabólitos com ação anti-inflamatória, apontando para a possibilidade deste fitoterápico ser efetivo para o tratamento de inflamações, caso os fitofármacos presentes atinjam a dose terapêutica. 

References

Arruda, Mariana Oliveira. Atividade antimicrobiana e anti-inflamatória de produtos naturais sobre patógenos respiratórios. Universidade Federal do Maranhão: tese de doutorado. 113p. 2016.

BALDIVIA, Débora da Silva. Avaliação das propriedades antioxidante e anticâncer do extrato aquoso da casca do caule de Stryphnodendron adstringens. Universidade Federal da Grande Dourados: tese de doutorado. 120p. 2018.

BOEING, T.; Moreno, K. G. T.; Gaparotto Júnior, A.; Silva, L. M.; Souza, P. Phytochemistry and pharmacology of the genus Equisetum (Equisetaceae): A narrative review of the species with therapeutic potential for kidney diseases. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine. v. 2021, p.1-17, 2021. DOI: https://doi.org/10.1155/2021/6658434

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria SVS/MS nº 519, de 26 de junho de 1998. Aprova o “Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Chás - Plantas Destinadas à Preparação de Infusões ou Decocções". Disponível em: < http://www.anvisa.gov.br > acesso em: 20 jan. 2023.

CARRETTO, C. F. P. Atividade antimicrobiana de Mentha piperita L. sobre leveduras do gênero Candida. 2007. Dissertação de mestrado 95pp.

CHIMPAN, Camelia; Sipos, M. Anatomy of the vegetative organs of Tradescantia pallida purpurea. Biharean Biologist, v. 3, n. 1, p. 1-4, 2009.

COELHO, J. M.; Antoniolli, A. B.; Silva, D. N.; Carvalho, T. M. M. B.; Pontes, E. R. J. C. Odashiro, A. N. O efeito da sulfadiazina de prata, extrato de ipê-roxo e extrato de barbatimão na cicatrização de feridas cutâneas em ratos. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 37, p. 45-51, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-69912010000100010

GAZIM, Z. C.;Ferreira, G. A.; Rezende, C. M.; Nakamura, C. V.; Dias Filho, B. P.; Cortez, D. A. G. Identificação dos constituintes químicos da fração volátil da Calendula officinalis produzida no Paraná. Horticultura Brasileira, v. 25, p. 118-121, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-05362007000100024

GONÇALVES, A. L.; Alves Filho, A.; Menezes, H. Estudo comparativo da atividade antimicrobiana de extratos de algumas árvores nativas. Arquivos do Instituto Biológico, v. 72, p. 353-358, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/1808-1657v72p3532005

MENEGAZZO, Renato. Chemical composition of Tradescantia pallida (Rose) D.R. Hunt var. purpurea Boom (Commelinaceae) essential oil. Natural Product Research, v. 36, n. 1, p. 396-400, 2022. DOI: https://doi.org/10.1080/14786419.2020.1765341

MULEY, B. P.; Khadabadi, S. S.; Banarase, N. B. Phytochemical constituents and pharmacological activities of Calendula officinalis Linn (Asteraceae): a review. Tropical Journal of Pharmaceutical Research, v. 8, n. 5, p. 455-465, 2009. DOI: https://doi.org/10.4314/tjpr.v8i5.48090

PARENTE, L. M. L.; Silva, M. S. B.; Brito, L. A. B.; Lino Júnior, R. S.; Paula, J. R.; Tresvenzol, L. M. F.; Zatta, D. T.; Paulo, N. M. Efeito cicatrizante e atividade antibacteriana da Calendula officinalis L. cultivada no Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 11, p. 383-391, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-05722009000400005

PASSOS, M. M. B.; Albino, R. C.; Feitosa-Silva, M.; Oliveira, D. R. Márcia Maria Barros. A disseminação cultural das garrafadas no Brasil: um paralelo entre medicina popular e legislação sanitária. Saúde em Debate, v. 42, p. 248-262, 2018. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-1104201811620

SIMÕES, C. M. O.; Schenkel, e. P.; Gosmann, G.; Mello, j. C.P.; Mentz, l. A.; Petrovick, P. R. Farmacognosia – da Planta ao Medicamento. Editora da UFSC, Florianópolis. 1104 p. 2000.

THOMAZI, G. O. C.; Bertolin, A. O.; Pinto, M. D. S. Atividade antibacteriana in vitro do barbatimão e da mangabeira contra bactérias relacionadas às infecções do trato urinário. Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia, p. 10, 2010.

VOLPATO, Ana Marcia de Matos. Avaliação do potencial antibacteriano de Calendula officinalis (Asteraceae) para seu emprego como fitoterápico. 2005. Tese de Doutorado.

YAO, L.; Liu, W.; Bashir, M.; Nisar, M. F.; Wan, C. Eriocitrin: A review of pharmacological effects. Biomedicine & Pharmacother v. 154, 113563, 2022. DOI: https://doi.org/10.1016/j.biopha.2022.113563

Published

2024-03-20

How to Cite

MILANÉS, C. H.; LUCAS, E. M. F.; GOMES, F. de C. O.; BINATTI, I. Avaliação da eficácia de uma receita de garrafada indicada para tratar inflamações do útero e bexiga, disponível na internet. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 6, n. 1, p. 348–359, 2024. DOI: 10.46814/lajdv6n1-024. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/1610. Acesso em: 23 jul. 2024.
<br data-mce-bogus="1"> <br data-mce-bogus="1">