O manuscrito 512: a cidade perdida da Bahia

Authors

  • Wagner Ribeiro de Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv5n2-013

Keywords:

cidade, discurso, filologia, manuscrito, mito

Abstract

A pesquisa analisa, através da Filologia e por meio da Análise do Discurso de Linha Francesa; a edição crítica do manuscrito 512 que é um dos arquivos manuscritos da época do Brasil Colonialista, atualmente guardado no acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Este manuscrito é a base do mais famoso mito arqueológico nacional, “a cidade perdida da Bahia”, e sua importância dentro dos estudos filológicos e de mitos brasileiros é de extrema relevância. Tal documento apresenta caráter expedicionário, e consiste em um relato de um grupo de bandeirantes, embora sua autoria seja anônima, na busca das minas de prata de Muribeca, na qual ficaram dez anos vagando nos sertões da Bahia O documento que hoje traz o subtítulo de “Relação histórica de uma occulta e grande povoação antiquissima sem moradores, que se descobriu no anno de 1753”, narra o encontro destes bandeirantes com ruínas de uma cidade desconhecida até então, havendo uma similaridade de data e localização com a prescrita pelo bandeirante João da Silva Guimarães que percorrendo os desconhecidos sertões da Bahia entre 1752 e 1753, teria noticiado a descoberta das procuradas minas de prata de Robério Dias, justamente na região dos rios Paraguaçu e Una. Neste trabalho, apresentar-se-ão a edição do manuscrito setecentista e uma proposta de análise discursiva das condições de produção, da memória e do interdiscurso; a partir do trabalho filológico de fixar a materialidade do texto, seguido do estudo discursivo para trabalhar o sujeito e a história como elemento constitutivo do sentido.

References

ANÔNIMO. Relação historica de uma occulta, e grande povoação antiquissima sem moradores, que se descobriu no anno de 1753. Bahia/Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, documento n. 512, 1754

CALMON, Miguel. O segredo das minas de prata. Rio de Janeiro: A noite, 1950.

COSTA, Cândido. As duas Américas. Lisboa: João Bastos, 1900.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 6ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

HOLLANDA, Sérgio Buarque. A visão do Paraíso. São Paulo: Nacional, 1958.

LANGER, Johnni. As cidades imaginárias do Brasil. Curitiba: Secretaria de Cultura do Paraná, 1997.

________, Johnni. "Enigmas arqueológicos e civilizações perdidas no Brasil oitocentista". In Anos 90, Porto Alegre, nº 9.

________, Johnni. O mito do Eldorado. Revista de História, São Paulo, n. 136, 1997.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas:

Pontes, 2001.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 3ª ed. Tradução Eni Orlandi et alli. Campinas: EDUNICAMP, 1997.

ROCHA, Lindolfo. Zona desconhecida no interior da Bahia. Revista do Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, Salvador, vol. 34, 1908.

Downloads

Published

2023-08-29

How to Cite

DE CARVALHO, W. R. O manuscrito 512: a cidade perdida da Bahia. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 632–640, 2023. DOI: 10.46814/lajdv5n2-013. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/1398. Acesso em: 19 apr. 2024.
<br data-mce-bogus="1"> <br data-mce-bogus="1">