Reflexões quanto ao papel do estado na política nacional de prevenção da automutilação e do suicídio no Brasil

Authors

  • Fernanda Pereira da Silva
  • Moisés Fernandes Lemos

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv5n1-011

Keywords:

suicídio, política pública, estado

Abstract

O suicídio é influenciado por múltiplos fatores passíveis de prevenção, exigindo ações coordenadas pelo estado. Logo, o presente estudo, tem por objetivo discutir o suicídio como um problema social que necessita da intervenção do Estado, no território brasileiro. Considerando como objetivos específicos a necessidade de promover diálogos sobre a formulação da Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio e as possibilidades de implementação nos equipamentos públicos, delinearam-se possibilidades e mapearam-se limitações para sua execução. A pesquisa foi de abordagem qualitativa e utilizou como recurso metodológico a revisão narrativa de caráter descritivo e exploratório e está subdividida em três momentos: o primeiro trata do suicídio como produção social na realidade brasileira; o segundo trata dos caminhos para a formulação da Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio no Brasil; e o terceiro diz das possibilidades e limitações de implantação de tais políticas. Por fim, são expressas as considerações finais que vislumbram a necessidade de mudança no posicionamento político, para garantir incentivos públicos para as políticas sociais e a possibilidade de implementar ações de prevenção ao suicídio.

References

ALBUQUERQUE, A.; BOEIRA, L.; LIMA, L.; AYRES, T. Os Direitos Humanos de Pacientes em Risco de Suicídio no Brasil. Cad. Ibero-amer. Dir. Sanit., Brasília, 8(1): 1-163, jan./mar., 2019. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.17566/ciads.v8i1.523> DOI: https://doi.org/10.17566/ciads.v8i1.523

AMARANTE, P. D. C. Autobiografia de um movimento: quatro décadas de Reforma Psiquiátrica no Brasil (1976-2016). Rio de Janeiro: CAPES EDITORA FIOCRUZ, 2020. Disponível em: <https://www.arca.fiocruz.br/bitstream/icict/42940/2/AutobiografiaMovimento.pdf>

BRASIL. Ministério da Saúde - Portaria nº 1.876, de 14 de agosto de 2006. Disponível em: Acessado em 27/09/2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Agenda de Ações Estratégicas para a Vigilância e Prevenção do Suicídio e Promoção da Saúde no Brasil: 2017 a 2020 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde - Portaria nº 3.491, de 18 de dezembro de 2017 Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt3491_22_12_2017.html Acesso em 08/10/2021>.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.819, de 26 de abril de 2019. Institui a Política Nacional de Prevenção da Automutilação e do Suicídio, a ser implementada pela União, em cooperação com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios; e altera a Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998. Diário Oficial da União.

Disponível em <https://www.in.gov.br/web/dou/-/lei-n%C2%BA-13.819-de-26-de-abril-de-2019-85673796> Acessado em 20 de abril de 2021.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.968, DE 26 de dezembro de 2019

Altera o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 (Código Penal), para modificar o crime de incitação ao suicídio e incluir as condutas de induzir ou instigar a automutilação, bem como a de prestar auxílio a quem a pratique. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/lei/L13968.htm.>Acessado em 01/06/2022.

BRASIL, Ministério da Saúde. Mortalidade por suicídio e notificações por lesões auto provocadas no Brasil. Boletim Epidemiológico. Secretaria de Vigilância em Saúde. Volume 52, Set. 2021. Disponível em <https://www.gov.br/saude/pt-br/centrais-de-conteudo/publicacoes/boletins/boletins-epidemiologicos/edicoes/2021/boletim_epidemiologico_svs_33_final.pdf > Acesso em 01/06/2022

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde mental e a pandemia de Covid-19. Publicado em 22 de fevereiro de 2021 [Internet] [Acesso em 15 de maio de 2021]. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/ultimas-noticias/3427-saude-mental-e-a-pandemia-de-covid-19>.

BRASIL, F. G.; CAPELLA, A. C. N. Os Estudos das Políticas Públicas no Brasil: passado, presente e caminhos futuros da pesquisa sobre análise de políticas. Revista Política Hoje, v. 25, n. 1, p. 71-90, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/view/3710> DOI: https://doi.org/10.18829/rp3.v1i1.15903

CASARIN ST, PORTO AR, GABATZ RIB, BONOW CA, RIBEIRO JP, MOTA MS. Tipos de revisão de literatura: considerações das editoras do Journal of Nursing and Health. J. Nurs. Health. 2020; 10(n.esp.): e20104031 Disponível em: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/enfermagem/article/view/19924. Acesso em 12 de junho de 2021. DOI: https://doi.org/10.15210/jonah.v10i5.19924

CASSORLA, R. M.S. Suicídio fatores inconscientes e aspectos socioculturais: uma introdução. São Paulo: Blucher, 2017.

CASSORLA, R. M.S. Estudos sobre suicídio: psicanálise e saúde mental. São Paulo: Blucher, 2021. DOI: https://doi.org/10.5151/9786555062939

CHAUÍ, M. Neoliberalismo: a nova forma do totalitarismo. 2019. Disponível em Disponível em: <https://aterraeredonda.com.br/neoliberalismo-a-nova-forma-do-totalitarismo/ >.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO DISTRITO FEDERAL – CRP/DF. Orientações para a atuação profissional frente a situações de suicídio e automutilação / Organizado pela Comissão Especial de Psicologia na Saúde do CRP 01/DF . Brasília: CRP, 2020.

CRUZ, N. F. O.; GONÇALVES, R. W.; DELGADO, P. G.G. Retrocesso da Reforma Psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trabalho, Educação e Saúde, v. 18, n. 3, 2020, e00285117. DOI: 10.1590/1981-7746-sol00285. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00285

DELGADO, P. G. Reforma psiquiátrica: estratégias para resistir ao desmonte. Editorial. Rev. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 2019; 17(2):e0021241. Disponível em: <https://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00212> DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00212

DIMENSTEIN, M.; SIQUEIRA, K.; MACEDO, J.P.; LEITE, J.; DANTAS, C. Determinação Social da Saúde Mental: Contribuições à psicologia no cuidado territorial. Arquivo Brasileiro de Psicologia, vol. 69, num. 2, 2017, pp. 72-87. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Brasil.

DURKHEIM, E. O Suicídio: estudos de sociologia (1897). Tradução Mônica Stahel – 3ª ed. – São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2019.

DUNKER, C. I. L. A Pena de Morte e a Escuta Trágica do Suicídio. Vamos falar de suicídio?/ Organização Gilson Iannini. 1 Ed. – São Paulo: Cult Editora, 2021. Coleção ecos; 2.

DRUCK, G. A Terceirização na Saúde Pública: formas diversas de precarização do trabalho. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, supl. 1, p. 15-43, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00023> DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00023

HAN, B.C. Psicopolítica: o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. 7. ed. Tradução de Maurício Liesen. Belo Horizonte: Editora Âyiné, 2018.

MANGINI, F. N. R.; NUNES, I. S. Suicídio e Sofrimento Social no Capitalismo: Desemprego e Expressões Da Questão Social. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 58, p., jan./jun. 2021. DOI:<http://dx.doi.org/10.17058/barbaroi.v0i58.15857> DOI: https://doi.org/10.17058/barbaroi.v0i58.15857

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS. Ação de saúde pública para a prevenção de suicídio: uma estrutura. Genebra: OMS, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE – OMS. Suicídio. 2021. Disponível em: <https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/suicide> Acesso 15/02/2022.

SARAVIA, E. Introdução à teoria da política pública. In: SARAVIA, Enrique; FERRAREZI, Elisabete. Políticas Públicas – Coletânea, Volume 2. Brasília: ENAP, 2006, p. 21-42. Disponível em: <https://repositorio.enap.gov.br/bitstream/1/1254/1/cppv1_0101_saravia.pdf >

SILVA, D. A.; MARCOLAN, J. F. Epidemiologia do suicídio no Brasil entre 1996 e 2016 e a política pública. Research, Society and Development v. 9, n. 2, e79922080, 2020 (CC BY 4.0) | ISSN 2525-3409 | DOI: <http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2080> DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v9i2.2080

SOUZA, C. Estado da Arte da Pesquisa em Políticas públicas. In: HOCHMAN, Gilberto; ARRETCHE, Marta; MARQUES, Eduardo. (Orgs.) Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2007.

REZENDE, F. C. Por que reformas administrativas falham? Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 17, nº. 50, outubro de 2002. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000300008> DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000300008

TORRES, K. R.; MENEGHETTI, F.K. O suicídio nas organizações econômicas. XLIII Encontro da ANPAD - EnANPAD 2019 São Paulo/SP - 02 a 05 de outubro.

WERLANG, B. Capítulo II. O Suicídio e os Desafios para a Psicologia / Organização Conselho Federal de Psicologia. - Brasília: CFP, 2013. 152p. ISBN: 978-85-89208-70-3.

Downloads

Published

2023-02-24

How to Cite

DA SILVA, F. P.; LEMOS, M. F. Reflexões quanto ao papel do estado na política nacional de prevenção da automutilação e do suicídio no Brasil. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 168–183, 2023. DOI: 10.46814/lajdv5n1-011. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/1268. Acesso em: 22 jun. 2024.
<br data-mce-bogus="1"> <br data-mce-bogus="1">