Os municípios diante do paradigma da reforma tributária: entre atores e espectadores

The municipalities facing the tax reform paradigm: between actors and spectators

Authors

  • Ricardo Rodrigues Ribeiro
  • Isaura Alberton de Lima

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv4n4-016

Keywords:

autonomia municipal, inconstitucionalidade, reforma tributária

Abstract

A reforma tributária deve ser vista como um processo e como tal respeitar a história, a cultura, e a forma de organização político-institucional da Federação brasileira. Este artigo tem objetivo analisar o paradigma dos municípios diante das principais propostas de reforma tributária em tramitação no Congresso Nacional (PEC 45/19 e PEC 110/19) sobre o viés   da violação da autonomia municipal e do princípio federativo. A metodologia utilizada foi estudo bibliográfico e documental. O estudo está estruturado em seis capítulos, sendo uma introdução com a apresentação do tema. A segunda parte é dedicada a competência tributária municipal para a disciplina dos seus impostos próprios.  O terceiro capítulo trata das principais propostas de reforma em trâmite. A quarta parte se ocupa do princípio federativo como cláusula pétrea da Constituição Federal. A quinta seção apresenta elementos atinentes a inconstitucionalidade das propostas em análise. E, por fim, o sexto capítulo traz as conclusões finais com a afirmação da necessidade da preservação da autonomia financeira dos municípios e a segurança jurídica como supedâneo da eficácia dos sistemas tributário e econômico.

References

Bonavides, P. (2003). Curso de Direito Constitucional. 13 ed. São Paulo: Malheiros.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 21 jul 2022.

Brasil (2001). Estatuto da Cidade. Lei nº 10.257, de 10 de Julho de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10257.htm. Acesso em: 10 jul 2022.

Brasil (2019). Senado Federal. Proposta de Emenda Constitucional - PEC 110/2019. Disponível em: https://www25.senado.leg.br. Acesso em: 21 jul 2022.

Brasil (2019b). Câmara dos Deputados. Proposta de Emenda Constitucional – PEC 45/2019. Disponível em: https://www.camara.leg.br. Acesso em: 21 jul 2022.

Carneiro, C. (2015). Impostos federais, estaduais e municipais. 5 ed. São Paulo: Saraiva.

Carvalho, P. B. (2016). Curso de Direito Tributário. 27 ed. São Paulo: Saraiva.

Coelho, S. C. N. (2016). Curso de Direito Tributário Brasileiro. 15. ed. Rio de Janeiro: Forense.

Costa, R. H. (2012). Princípio da capacidade contributiva. 4. ed. São Paulo: Malheiros.

Domingues, J. M. (2007). "Federalismo fiscal brasileiro." NOMOS: Revista do Programa de Pós Graduação em Direito da UFC, Fortaleza, Vol. 26, p. 137–143.

Dworkin, R. (2001). Uma questão de princípio. 1 ed. São Paulo. Martins Fontes.

Fernandes, C. E. (2005). IPTU. Texto e Contexto. São Paulo. Quartier Latin.

Harada, K. (2008). ISS. Limitações constitucionais específicas. Mai/2008. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-tributario/iss-limitacoes-constitucionais- especificas/. Acesso em: 28 jul 2022.

Harada, K. (2021). ITBI: Doutrina e Prática. 3 ed. Belo Horizonte: Dialética.

Justen Filho, M. (2013). Curso de Direito Administrativo. 9 ed. Rev., atual e ampl. São Paulo. Revista dos Tribunais.

Machado, H. B. (2012). Curso de Direito Constitucional Tributário. São Paulo. Malheiros.

Maciel, E. (2020). Breves reflexões sobre as reformas tributárias. In: F. Rezende. (Coord.) Caminhos para a reforma tributária: onde estamos, o que queremos e qual é o caminho para avançar na direção desejada. Observatório da Reforma Tributária (pp. 35-50). Rio de Janeiro.

Maciel, E. (2021). A verdadeira reforma tributária. Estado de São Paulo. Disponível em: https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,a-verdadeira-reforma-tributaria,70002111052.Acesso em: 25 Jul 2022

Moraes, A. (2010). Direito Constitucional. 25 ed. São Paulo: Atlas.

Multi-Cidades (2020). Finanças dos Municípios do Brasil.Vol 15. Aequus Consultoria. Vitória. Frente Nacional de prefeitos.

Pausen, L. (2008). Direito Tributário: Constituição e Código Tributário à Luz da Doutrina e da Jurisprudência. 10. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Pausen, L. (2018). Curso de Direito Tributário Completo. 9. ed. São Paulo: Saraiva.

Rezende. F. (2020). Atenção: o que está na mesa não é o que dizem. In: F. Rezende. (Coord.) Caminhos para a reforma tributária: onde estamos, o que queremos e qual é o caminho para avançar na direção desejada. Observatório da Reforma Tributária (pp. 9-33). Rio de Janeiro.

Ribeiro, R. L. (2013). Tributos (teoria geral e espécies). Niterói-RJ: Impetus.

Torres, H. T. (2021). Constituição financeira e o federalismo financeiro cooperativo equilibrado. Rev Fórum Direito Financeiro e Econômico –RFDFE. Belo Horizonte. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/311934/mod_resource/content/1/D_HTO_Constitui%C3%A7%C3%A3o%20Finance.pdf.

Published

2022-08-18

How to Cite

RIBEIRO, R. R. .; LIMA, I. A. de . Os municípios diante do paradigma da reforma tributária: entre atores e espectadores: The municipalities facing the tax reform paradigm: between actors and spectators. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 4, n. 4, p. 1541–1557, 2022. DOI: 10.46814/lajdv4n4-016. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/1143. Acesso em: 23 may. 2024.
<br data-mce-bogus="1"> <br data-mce-bogus="1">