Obtenção e avaliação físico-química da farinha de trigo especial desglutenizado

Obtainment and physical-chemical evaluation of special deglutenized wheat flour

Authors

  • Franky Soedirlan Resosemito
  • Jorgina Gomes Carvalho
  • Rosiane Rocha de Araújo
  • Andressa Ellen Castro Sousa
  • Douglas Sodre Ferreira
  • Mateus da Silva Gonçalves
  • Jaqueline Soares dos Santos
  • Auxiliadora Cristina Correa Barata Lopes

DOI:

https://doi.org/10.46814/lajdv4n4-015

Keywords:

Farinha de trigo desglutenizado, qualidade físico-química de trigo, umidade, cinzas, pH, proteínas, amido

Abstract

A reação à ingestão de glúten presente no trigo pelos portadores da doença celíaca é a inflamação do intestino delgado, levando à má absorção de vários nutrientes importantes, incluindo ferro, ácido fólico, cálcio e vitaminas lipossolúveis. O glúten não é transformado quando os alimentos são assados ou cozidos, por isso deve ser substituído por outras opções como o trigo desglutenizado. A retirada do glúten da farinha de trigo é desafiante, pois este representa a rede protéica que retém o gás carbônico, produzido no processo de fermentação e, conseqüentemente pela expansão da massa. O objetivo principal desta pesquisa é a obtenção e avaliação físico-química da farinha de trigo especial desglutenizado. O experimento foi conduzido no Laboratório de Panificação do setor Agroindústria do IFMA São Luis - Campus Maracanã, no período compreendido entre os meses de março de 2013 e janeiro de 2014. O processo da obtenção do trigo desglutenizado consiste em hidratar o trigo com água e amassamento até formar a rede de glúten. Em seguida, a massa formada foi lavada e peneirada. O glúten por ser insolúvel em água ficou retido na peneira e o restante da farinha (amido, proteínas solúveis e a solução) foi coletado em um béquer. O glúten úmido foi pesado para calcular o rendimento aproximado da desglutenização. O béquer contendo a suspensão de amido foi mantido a 4ºC, por duas a três horas, para que ocorrer a decantação e separação de fases. Após a separação, o amido foi seco a 60ºC numa estufa. O produto seco foi triturado, usando um liquidificador inoxidável, homogeneizado manualmente e em seguida o mesmo foi pesado para verificação do rendimento. Foram analisados também os teores da cinzas, umidade, pH, proteínas e carboidratos do trigo desglutenizado segundo a metodologia do Instituto Adolfo Lutz. Para as analises teor de umidade não houve nenhuma amostra fora dos padrões de qualidade de farinha de trigo desglutenizado. O valor de cinzas das amostras C e D com 2,0 % estão acima dos padrões para fabricação de pão. Todas as amostras apresentaram redução nos teores em proteínas e acréscimo nos teores dos carboidratos.

References

ACELBRA-SC (Associação dos Celíacos de Santa Catarina). Disponível em: <http://www.acelbra-sc.org.br>. Acesso em: 20 de dezembro 2021.

ANVISA – Farinhas, Resolução CNNPA nº 12, Diário Oficial da União de 24 de Julho de 1978. Disponível em:<http://www.anvisa.gov.br/legis/resol/12_78_farinhas.htm>. Acesso em 12 de dezembro de 2021.

ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Aprova o Regulamento Técnico referente à Informação Nutricional Complementar. Portaria n. 27, de 13 de janeiro de 1998. Diário Oficial da União; Poder Executivo, 13 de janeiro de 1998.

ARENDT, E.; DAL BELLO, F. Gluten-Free Cereal Products and Beverages. Included in series Food Science & Technology. Hardbound: Elsevier, 2008. 464 p. ISBN: 978-0-12-373739-7.

BRASIL. Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa n° 8, 03 jun. 2005. Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade da Farinha de Trigo. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 03 jun. 2005, Seção 1, n. 105, p. 91.

CECCHI, H. M. Fundamentos Teóricos e Práticos em Análises de Alimentos. 2º edição. Campinas São Paulo, Editora da UNICAMP, 2003. DOI: https://doi.org/10.7476/9788526814721

IAL - INSTITUTO ADOLF LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos Químicos e Físicos para Análise de Alimentos. 4 ed. São Paulo, 2008. p. 70 - 98.

FARIAS, A. da S. Massas para Pizza com Restrição de Glúten/Monografia de Especialização em Qualidade em Alimentos – Universidade de Brasília, 2009, p. 41.

FIGUEIRA, F. da S; CRIZEL, T. de M.; SILVA, C. R.; MERCEDES, M. de Las; MELLADO, S. Pão sem glúten enriquecido com a microalga Spirulina platensis. Braz. J. Food Technol., Campinas, v. 14, n. 4, p. 308-316, out./dez. 2011 DOI: https://doi.org/10.4260/BJFT2011140400037

SOUZA E SILVA, J. Sustentabilidade e desenvolvimento de cookie desglutenizado para dieta restrita ao glúten. Dissertação (Mestrado em Ecologia e Produção Sustentável), PUC – Goiás, 2012, p.109.

THOMPSON, T. Do oats belong in a gluten free diet? Journal American of Dietic Association. v. 97, p. 1413-1416, 2001. DOI: https://doi.org/10.1016/S0002-8223(97)00341-6

Published

2022-08-16

How to Cite

RESOSEMITO, F. S. .; CARVALHO, J. G. .; ARAÚJO, R. R. de .; SOUSA, A. E. C. .; FERREIRA, D. S. .; GONÇALVES, M. da S. .; SANTOS, J. S. dos .; LOPES, A. C. C. B. . Obtenção e avaliação físico-química da farinha de trigo especial desglutenizado: Obtainment and physical-chemical evaluation of special deglutenized wheat flour. Latin American Journal of Development, [S. l.], v. 4, n. 4, p. 1533–1540, 2022. DOI: 10.46814/lajdv4n4-015. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/jdev/article/view/1140. Acesso em: 28 feb. 2024.
<br data-mce-bogus="1"> <br data-mce-bogus="1">