O impacto da dieta DASH na saúde reprodutiva feminina: uma revisão de literatura

Authors

  • Kaila Beatriz de Jesus Teixeira
  • Andréa Araújo Albernaz
  • Evelyn de Kenya Lins Prates
  • Ingra Torres Goldfeld Neiva Moroni

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n3espec-036

Keywords:

infertilidade, obesidade, reprodução feminina, nutrição, antioxidantes

Abstract

A dieta DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension) tem sido objeto de estudo devido aos seus potenciais benefícios para a saúde reprodutiva feminina. Esta abordagem dietética, rica em frutas, vegetais, grãos integrais e proteínas magras, tem mostrado impacto positivo em diversos aspectos da saúde das mulheres. Estudos sugerem que a adesão à dieta DASH pode melhorar a regularidade do ciclo menstrual, reduzir a incidência de distúrbios menstruais como a síndrome do ovário policístico (SOP) e aumentar a fertilidade feminina. Além disso, evidências indicam que a dieta DASH pode contribuir para a prevenção de complicações gestacionais, como pré-eclâmpsia e diabetes gestacional. Os possíveis mecanismos por trás desses efeitos benéficos incluem a regulação hormonal, a redução da inflamação, a melhoria da sensibilidade à insulina e a manutenção de um peso corporal saudável. Embora mais pesquisas sejam necessárias para entender completamente esses mecanismos e confirmar os benefícios da dieta DASH na saúde reprodutiva feminina, as evidências disponíveis sugerem que essa abordagem dietética pode ser uma estratégia promissora para promover a saúde das mulheres em idade reprodutiva.

References

BOSCO, R. B.; SCARPIN, D. C. B. Rastreio de pré-eclâmpsia no primeiro trimestre. Research, Society and Development, v. 12, n. 1, p. e17912139242-e17912139242, 2023. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39242

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2019: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico [Internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2020 [cited 2021 Nov 20]. Disponível em: https://bit.ly/3vsWmkQ

BRASIL. Secretaria de Estado de Saúde do Rio Grande do Sul. Guia do Pré-Natal na Atenção Básica. 2018.

CARDOSO, A. M. S. et al. Pré-eclâmpsia: uma revisão bibliográfica dos fatores de risco e estratégias preventivas. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e534954, 2024. DOI: 10.47820/recima21.v5i3.4954. DOI: https://doi.org/10.47820/recima21.v5i3.4954

CUNNINGHAM, F. G. et al. Obstetrics. 26. ed. New York (NY): McGraw-Hill Medical, 2021.

DA COSTA, Maíra Masello et al. The relationship between overweight and female infertility. Health Sciences Journal, v. 11, n. 4, p. 3-10, 2021. DOI: https://doi.org/10.21876/rcshci.v11i4.1167

FEBRASGO. Predição e prevenção da pré-eclâmpsia. FEBRASGO Position Statement, n. 1, 2023.

FERREIRA, Helena Maria Bernardo. Infertilidade feminina e suas associações com o excesso de peso e a nutrição: revisão narrativa. 2023. Trabalho de Conclusão de Curso.

FICHMAN, V.; COSTA, R. S.; MIGLIOLI, T. C.; MARINHEIRO, L. P. Association of obesity and anovulatory infertility. Einstein (Sao Paulo), v. 18, eAO5150, 2020. https://doi.org/10.31744/einstein_journal/2020AO5150 PMid:32159605 PMCid DOI: https://doi.org/10.31744/einstein_journal/2020AO5150

FORTUNATO, Carolina Canever; MELO, Sandra Soares. A Alimentação saudável na melhora dos sintomas da Síndrome dos Ovários Policísticos: Uma revisão da literatura. Inova Saúde, v. 14, n. 4, p. 175-186, 2024. DOI: https://doi.org/10.18616/inova.v14i4.7685

GASPARI, L. V.; CHIARADIA, C. F. C.; REQUEIJO, M. J. R. Evolução diagnóstica no rastreio da pré-eclâmpsia: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 12, n. 7, p. e17812742726, 1 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v12i7.42726

KARRAR, S. A.; HONG, P. L. Preeclâmpsia. 2023. StatPearls.

MESSEDER, C. B. et al. Pré-eclâmpsia: uma revisão da etiologia ao tratamento. Brazilian Journal of Health Review, v. 6, n. 4, p. 19279–19292, 30 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv6n4-414

PRETTI, M. de B. et al. A influência do diagnóstico precoce da pré-eclâmpsia na mortalidade materna e na fetal. Brazilian Journal of Implantology and Health Sciences, Macapá, v. 5, n. 5, 2023. DOI: https://doi.org/10.36557/2674-8169.2023v5n5p6583-6591

SAUNDERS, Cláudia et al. Procedimentos metodológicos para elaboração de plano alimentar adaptado baseado na dieta DASH para gestantes com diabetes mellitus. BJD, v. 7, p. 116769-116788, 2021. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n12-436

SILVESTRIS, E.; LOVERO, D.; PALMIROTTA, R. Nutrition and female fertility: an interdependent correlation. Front Endocrinol (Lausanne), v. 10, p. 346, 2019. https://doi.org/10.3389/fendo.2019.00346 PMid:31231310 PMCid DOI: https://doi.org/10.3389/fendo.2019.00346

SOUZA, D. S. M. et al. Biomarcadores laboratoriais como preditores de pré-eclâmpsia. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 28, n. 3, p. 238-242, 2021. DOI: https://doi.org/10.47870/1519-7522/20212803238-42

VAZQUEZ, Maria Clara et al. Intervenções físicas sobre a fisiologia do sistema reprodutor feminino em pacientes obesas inférteis: uma revisão sistemática. Varia Scientia-Ciências da Saúde, v. 7, n. 1, p. 58-68, 2021. DOI: https://doi.org/10.48075/vscs.v7i1.26572

Published

2024-07-09

How to Cite

TEIXEIRA, K. B. de J.; ALBERNAZ, A. A.; PRATES, E. de K. L.; MORONI, I. T. G. N. O impacto da dieta DASH na saúde reprodutiva feminina: uma revisão de literatura. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e1708 , 2024. DOI: 10.46919/archv5n3espec-036. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1708. Acesso em: 12 jul. 2024.