Avanços na detecção precoce da pré-eclâmpsia: uma revisão de literatura

Authors

  • Natália Maisa de Souza Rodrigues
  • Renata Medeiros Melo
  • Mariana Laura de Paula Souza
  • Bianca Stephany Ramos Costa
  • Beatriz Leite Assis

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n3espec-034

Keywords:

pré-eclâmpsia, doença hipertensiva, gestação, Doppler

Abstract

A pré-eclâmpsia é uma doença hipertensiva da gestação, caracterizada pela elevação da pressão arterial maior ou igual a 140/90 mmHg e proteinúria maior ou igual a 300 mg em urina de 24 horas, a partir das 20 semanas gestacionais, ou pela elevação da pressão arterial acompanhada de comprometimento de órgãos-alvo. Devido à possibilidade de progressão da doença para eclâmpsia, síndrome HELLP ou outras condições clínicas graves, e associando-se a uma maior taxa de mortalidade materna e perinatal, faz-se necessário o estudo e aprimoramento na detecção precoce da pré-eclâmpsia. Objetivo: Este artigo tem por objetivo revisar a literatura atual sobre a detecção precoce da pré-eclâmpsia. Materiais/Sujeitos e Métodos: Foram consultados artigos científicos e de revisão publicados e referenciados na Fleury Medicina e Saúde 2022, Revista Unifeso 2019, e BOSCO 2023. Resultados: Evidências mostram que uma anamnese completa reconhece 30-40% das gestantes destinadas a desenvolver pré-eclâmpsia precocemente, com uma taxa de 5% de falso-positivo. A anamnese somada ao índice de pulsatilidade das artérias uterinas, identificado pelo Doppler, a medição da pressão arterial média, a identificação da proteína A plasmática associada à gestação (PAPP-A) e o fator de crescimento placentário (PlGF) reconhecem 74,8% das gestantes destinadas a desenvolver pré-eclâmpsia precocemente, com uma taxa de falso-positivo de 10%. Conclusões: A detecção precoce da pré-eclâmpsia é necessária devido à alta taxa de morbimortalidade materna e fetal. Um único exame ou anamnese isolados não são eficazes o suficiente para a detecção precoce da doença hipertensiva gestacional, mas protocolos combinados apresentam resultados promissores e devem ser considerados para possibilitar o diagnóstico precoce, acompanhamento e instituição da profilaxia da pré-eclâmpsia, resultando em uma menor taxa de morbimortalidade materna e fetal.

References

BOSCO, R. B.; SCARPIN, D. C. B. Rastreio de pré-eclâmpsia no primeiro trimestre. Research, Society and Development, v. 12, n. 1, p. e17912139242-e17912139242, 2023. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v12i1.39242

BRASIL. Secretaria de Estado de Saúde do Rio Grande do Sul. Guia do Pré-Natal na Atenção Básica. 2018.

CARDOSO, A. M. S. et al. Pré-eclâmpsia: uma revisão bibliográfica dos fatores de risco e estratégias preventivas. RECIMA21 - Revista Científica Multidisciplinar, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e534954, 2024. DOI: 10.47820/recima21.v5i3.4954. DOI: https://doi.org/10.47820/recima21.v5i3.4954

CUNNINGHAM, F. G. et al. Obstetrics. 26. ed. New York (NY): McGraw-Hill Medical, 2021.

FEBRASGO. Predição e prevenção da pré-eclâmpsia. FEBRASGO Position Statement, n. 1, 2023.

GASPARI, L. V.; CHIARADIA, C. F. C.; REQUEIJO, M. J. R. Evolução diagnóstica no rastreio da pré-eclâmpsia: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, v. 12, n. 7, p. e17812742726, 1 ago. 2023.

GASPARI, L. V.; CHIARADIA, C. F. C.; REQUEIJO, M. J. R. Evolução diagnóstica no rastreio da pré-eclâmpsia: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, Vargem Grande Paulista, v. 12, n. 7, 2023. DOI: https://doi.org/10.33448/rsd-v12i7.42726

KARRAR, S. A.; HONG, P. L. Preeclâmpsia. 2023. StatPearls.

MESSEDER, C. B. et al. Pré-eclâmpsia: uma revisão da etiologia ao tratamento. Brazilian Journal of Health Review, v. 6, n. 4, p. 19279–19292, 30 ago. 2023. DOI: https://doi.org/10.34119/bjhrv6n4-414

PRETTI, M. de B. et al. A influência do diagnóstico precoce da pré-eclâmpsia na mortalidade materna e na fetal. Brazilian Journal of Implantology and Health Sciences, Macapá, v. 5, n. 5, 2023. DOI: https://doi.org/10.36557/2674-8169.2023v5n5p6583-6591

SOUZA, D. S. M. et al. Biomarcadores laboratoriais como preditores de pré-eclâmpsia. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 28, n. 3, p. 238-242, 2021. DOI: https://doi.org/10.47870/1519-7522/20212803238-42

Published

2024-07-09

How to Cite

RODRIGUES, N. M. de S.; MELO, R. M.; SOUZA, M. L. de P.; COSTA, B. S. R.; ASSIS, B. L. Avanços na detecção precoce da pré-eclâmpsia: uma revisão de literatura . Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e1706 , 2024. DOI: 10.46919/archv5n3espec-034. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1706. Acesso em: 12 jul. 2024.