Manejo anestésico de neonatos submetidos a cateterismo cardíaco diagnóstico e terapêutico: uma revisão sistemática da literatura

Authors

  • Bruna Souza Carvalho
  • Marina Paolucci Oliveira
  • Maria Fernanda Pereira Aguiar
  • Mariana Montalvão Silvestre

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n3espec-011

Keywords:

cateterismo cardíaco, neonatologia, anestesia em recém nascidos, doença cardíaca congênita

Abstract

Introdução: Múltiplos procedimentos cirúrgicos geralmente são necessários em neonatos com doença cardíaca congênita, dentre eles está o cateterismo cardíaco. Infelizmente tais procedimentos são acompanhados de riscos como parada cardíaca e percebe-se conforme a literatura que as condutas em cada procedimento são individualizadas e heterogêneas. Não há, até o momento, nenhum protocolo de anestesia e monitorização para a realização do cateterismo cardíaco em neonatos com doença cardíaca congênita.Objetivo: O objetivo deste artigo é realizar uma revisão sistemática sobre o manejo anestésico pre, intra e pós-operatório em neonatos com doença cardíaca congênita submetidos a cateterismo cardíaco.Materiais e métodos: Foram realizadas buscas de artigos publicados nos últimos 10 anos nos seguintes sites de busca: Pubmed, BVS, Cochrane library e Science direct. Foram utilizadas palavras chaves como anestesia em cateterismo cardíaco pediátrico, anestesia em cirurgia cardíaca pediátrica, anestesia em neonato com doença cardíaca, anestesia em neonatos, anestesia em pediatria.Resultados e Discussão: Foram selecionados um total de 49 artigos pelo título e após leitura total dos artigos, apenas 9 citavam o tema proposto. Não foi encontrado nenhum método anestésico específico que seja apropriado para todos os neonatos que serão submetidos a cateterismo cardíaco para tratamento de doença cardíaca congênita. Maior risco de eventos adversos foi encontrado em neonatos com peso inferior a 2kg e inversamente proporcional a idade. A dexmedemetomidina parece ter um efeito cardioprotetor em crianças, não se sabe se tem o mesmo efeito em neonatos. Não existe regulamentação para administração de oxigênio e hiperóxia foi encontrada em mais 90% dos casos. Em outro estudo que comparou o uso de BiPAP com o CNAF, demonstrou que o BiPAP reduz o trabalho respiratório, porém o CNAF proporcionou melhor oxigenação. Porém não existe nenhuma estratégia definida como preferencial para ser realizada durante o cateterismo cardíaco em neonatos. A anestesia geral com ventilação com pressão positiva proporciona via aérea segura e controle da PaCO2, mas o aumenta a pressão intratorácica alterando as medidas hemodinâmicas. Já a ventilação espontânea, mantem a fisiologia respiratória, porém, a sedação pode causar hipoventilação e subsequente acidose respiratória. Isto aumenta a resistência vascular pulmonar e pode alterar a fisiologia do shunt e afetar as medidas hemodinâmicas.Considerações finais: São necessários mais estudos e implementação de programas de pesquisa em anestesiologia pediátrica para a definição de técnicas anestésicas mais seguras para a realização de cateterismo cardíaco em neonatos com doença cardíaca congênita visando reduzir os riscos e os eventos adversos.

References

BERGERSEN, L. et al. Procedure-Type Risk Categories for Pediatric and Congenital Cardiac Catheterization. Circulation-cardiovascular Interventions, v. 4, n. 2, p. 188–194, 1 abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.1161/CIRCINTERVENTIONS.110.959262

C. HUIE LIN et al. Sedation and Anesthesia in Pediatric and Congenital Cardiac Catheterization: A Prospective Multicenter Experience. Pediatric Cardiology, v. 36, n. 7, p. 1363–1375, 21 maio 2015. Interv. DOI: https://doi.org/10.1007/s00246-015-1167-8

GORDON, B. M. et al. Utility of Preprocedure Checklists in the Congenital Cardiac Catheterization Laboratory. Congenital Heart Disease, v. 9, n. 2, p. 131–137, 11 jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1111/chd.12107

HAMID, A. Anesthesia for cardiac catheterization procedures. Heart, lung and vessels, v. 6, n. 4, p. 225–31, 2014.

ODEGARD, K. C. et al. The Frequency of Cardiac Arrests in Patients with Congenital Heart Disease Undergoing Cardiac Catheterization. Anesthesia & Analgesia, v. 118, n. 1, p. 175–182, jan. 2014. DOI: https://doi.org/10.1213/ANE.0b013e3182908bcb

SANABRIA CARRETERO, P. et al. Parada cardiaca relacionada con la anestesia en pediatría: registro en un hospital infantil terciario. Revista española de anestesiología y reanimación, v. 60, n. 8, p. 424–433, 2013. DOI: https://doi.org/10.1016/j.redar.2013.03.006

SIMPSON, J. M.; MOORE, P.; TEITEL, D. F. Cardiac catheterization of low birth weight infants. The American Journal of Cardiology, v. 87, n. 12, p. 1372–1377, 15 jun. 2001. DOI: https://doi.org/10.1016/S0002-9149(01)01555-7

Published

2024-07-08

How to Cite

CARVALHO, B. S.; OLIVEIRA, M. P.; AGUIAR, M. F. P.; SILVESTRE, M. M. Manejo anestésico de neonatos submetidos a cateterismo cardíaco diagnóstico e terapêutico: uma revisão sistemática da literatura. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e1683 , 2024. DOI: 10.46919/archv5n3espec-011. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1683. Acesso em: 12 jul. 2024.