A influência da craniotomia descompressiva no desenvolvimento de hidrocefalia: uma revisão

Authors

  • Lorena Ferreira Fernandes de Souza
  • Pedro Machado Batista
  • Graciano Samuel Ferreira de Souza
  • Nathalia Akemi Vignoli
  • Victória Nunes Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n3espec-003

Keywords:

craniotomia descompressiva, hidrocefalia, traumatismo craniano, neurocirurgia

Abstract

Introdução: A craniotomia descompressiva é um procedimento neurocirúrgico vital utilizado no manejo de condições neurológicas agudas, como trauma craniano grave, hemorragia intracraniana e infarto cerebral extenso. Este procedimento envolve a remoção parcial do crânio para aliviar a pressão intracraniana elevada e prevenir lesões cerebrais secundárias. No entanto, apesar dos benefícios consideráveis, como a redução da mortalidade e melhoria dos desfechos neurológicos, há uma preocupação crescente com as complicações pós-operatórias, particularmente a hidrocefalia.  Objetivo: Realizar uma revisão sistemática da literatura a respeito da influência da craniotomia descompressiva no desenvolvimento de hidrocefalia. Materiais, sujeitos e métodos: Este artigo de revisão foi elaborado com base na análise de artigos científicos e revisões publicadas e referenciadas em bases de dados como Medline/PubMED, SciELO e Cochrane, abrangendo o período de 1990 a 2024. Além disso, foram consultados manuais e diretrizes relevantes na área da neurocirurgia. Resultados e discussão: Evidências recentes indicam uma associação significativa entre a craniotomia descompressiva e o aumento do risco de desenvolvimento de hidrocefalia pós-operatória. Os mecanismos subjacentes a essa complicação ainda não estão completamente elucidados, mas fatores como a reabsorção inadequada do líquido cefalorraquidiano e alterações na dinâmica do fluxo cerebrospinal parecem desempenhar um papel crucial. Considerações finais: O reconhecimento precoce e o manejo adequado da hidrocefalia pós-craniotomia descompressiva são essenciais para minimizar o impacto negativo sobre os desfechos clínicos e a qualidade de vida dos pacientes. Estratégias de prevenção e tratamento devem ser individualizadas, levando em consideração os fatores de risco específicos de cada paciente e as características da lesão neurológica subjacente.

References

COOPER, D. J. et al. Decompressive Craniectomy in Diffuse Traumatic Brain Injury. New England Journal of Medicine, v. 364, n. 16, p. 1493–1502, 21 abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.1056/NEJMoa1102077

DING, J.; GUO, Y.; TIAN, H. The influence of decompressive craniectomy on the development of hydrocephalus: a review. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 72, n. 9, p. 715–720, 1 set. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/0004-282X20140106

KAEN, A. et al. Interhemispheric hygroma after decompressive craniectomy: does it predict posttraumatic hydrocephalus? Journal of Neurosurgery, v. 113, n. 6, p. 1287–1293, 1 dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.3171/2010.4.JNS10132

KOLIAS, A. G.; KIRKPATRICK, P. J.; HUTCHINSON, P. J. Decompressive craniectomy: past, present and future. Nature Reviews Neurology, v. 9, n. 7, p. 405–415, 11 jun. 2013. DOI: https://doi.org/10.1038/nrneurol.2013.106

LIAO, C.-C. et al. Transcalvarial brain herniation volume after decompressive craniectomy is the difference between two spherical caps. Medical Hypotheses, v. 84, n. 3, p. 183–188, mar. 2015.. DOI: https://doi.org/10.1016/j.mehy.2014.12.018

MAZZINI, L. et al. Posttraumatic hydrocephalus: a clinical, neuroradiologic, and neuropsychologic assessment of long-term outcome 11 No commercial party having a direct financial interest in the results of the research supporting this article has or will confer a benefit upon the author(s) or upon any organization with which the author(s) is/are associated. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, v. 84, n. 11, p. 1637–1641, nov. 2003. DOI: https://doi.org/10.1053/S0003-9993(03)00314-9

OLIVEIRA, Arthur. “Efeitos da cranioplastia em doentes submetidos à craniectomia descompressiva: avaliação anatômica, neurológica e da hemodinâmica encefálica”. Tese apresentada à FMUSP para obtenção do título de Doutor em Ciências, Biblioteca FMUSP ,São Paulo, 2015 : 1-10.Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/5/5138/tde-27102015-091908/en.php>. Acesso em: 10 jun. 2024.

RAHME, R. et al. Decompressive Craniectomy Is Not an Independent Risk Factor for Communicating Hydrocephalus in Patients With Increased Intracranial Pressure. v. 67, n. 3, p. 675–678, 1 set. 2010. DOI: https://doi.org/10.1227/01.NEU.0000383142.10103.0B

SYMSS, N. P.; OI, S. Theories of cerebrospinal fluid dynamics and hydrocephalus: historical trend. Journal of Neurosurgery: Pediatrics, v. 11, n. 2, p. 170–177, fev. 2013. DOI: https://doi.org/10.3171/2012.3.PEDS0934

Published

2024-07-08

How to Cite

SOUZA, L. F. F. de; BATISTA, P. M.; SOUZA, G. S. F. de; VIGNOLI, N. A.; OLIVEIRA, V. N. A influência da craniotomia descompressiva no desenvolvimento de hidrocefalia: uma revisão. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 3, p. e1675 , 2024. DOI: 10.46919/archv5n3espec-003. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1675. Acesso em: 12 jul. 2024.

Similar Articles

You may also start an advanced similarity search for this article.

Most read articles by the same author(s)