Papel do enfermeiro especialista na organização e gestão logística hospitalar: estudo de caso

Authors

  • Ana Sofia de Assunção Fernandes
  • Sara Filipa Amaral Soares
  • Rosa Cândida Carvalho Pereira de Melo

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n2-008

Keywords:

“logística organizacional, “qualidade, “interior design and furnishings, “health care”

Abstract

Introdução: Uma gestão logística eficiente é fundamental para minimizar o desperdício dos materiais e insatisfação dos profissionais. Assim, a organização dos espaços garante a rapidez na acessibilidade, evitando as roturas ou excesso de stocks, contribuindo diretamente para a qualidade dos cuidados prestados. Objetivo: Otimizar a organização dos recursos materiais, num serviço de Medicina Interna de um hospital Central da Região Centro de Portugal, em duas áreas de trabalho da equipa de enfermagem: sala de preparação de terapêutica e sala de apoio aos cuidados. Metodologia: Após revisão da literatura em bases de dados para contextualização da problemática, foi efetuada uma análise SWOT do problema identificado, com delineação de um processo de mudança, segundo o modelo de mudança de Kotter, e apresentação de um projeto de intervenção, recorrendo à ferramenta de logística organizacional 5S. Resultados: A otimização dos espaços contribuiu, no imediato, na gestão do tempo, na redução em 50% de material armazenado, minimização do desperdício e ausência de pedidos extra-stock. Conclusão: A implementação de ferramentas eficazes de gestão logística no ambiente hospitalar permite a reorganização dos espaços e circuitos específicos para os materiais contribuindo para uma gestão logística hospitalar mais eficiente e sustentável. 

References

ALBUQUERQUE, J., BRASIL, B., SILVA, G., CRUZ, A., & COSTA, M. (2017). Utilização da Análise SWOT para a Elaboração da Estratégia Mercadológica. Revista Maiêutica, 5(1), 221–234. Recuperado de https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos11/26714255.pdf

ALVES, A., LOMBARDO, Y., BESPALHOK, B., LAHM, J., MATOS, F., TONINI, N., & MENDES, M. (2020). Implantação do Programa 5S em Unidade de Hospital de Ensino. Brazilian Journal of Development, 6(10), pp. 82148–82157. Recuperado de https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/18898/15195 DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n10-591

ANTONIO, F., & GASPAROTTO, A. (2018). A Implantação do Método 5S no setor de protótipos em uma empresa do ramo moveleiro no Interior de São Paulo. Revista Interface Tecnológica, 15(2), 504–515. Recuperado de https://revista.fatectq.edu.br/index.php/interfacetecnologica/article/view/394/337 DOI: https://doi.org/10.31510/infa.v15i2.394

COPELAND, D., &; CHAMBERS, M. (2016). Effects of Unit Design on Acute Care Nurses’ Walking Distances, Energy Expenditure, and Job Satisfaction: A Pre–Post Relocation Study. HERD: Health Environments Research &; Design Journal, 10(4), pp. 22–36. Doi:10.1177/1937586716673831 DOI: https://doi.org/10.1177/1937586716673831

CORREIA, A. (2012). Gestão do risco clínico e segurança do doente internado no hospital das forças armadas – unidade hospitalar do lumiar. (Trabalho de Investigação). Recuperado de https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/12358/1/CAP%20Cunha%20Correia.pdf

DESPACHO n.º 1250/2020 de 28 de Janeiro. Diário da República no 19/2020 - 2ª Série. pp. 125–127. Direção Geral da Saúde, Lisboa, Portugal.

ESCOBAR, V., BOURQUE, S., & GALLEGO, N. (2015). Hospital kanban system implementation: Evaluating satisfaction of nursing personnel. Investigaciones Europeas de Direccion y Economia de La Empresa, 21(3), 101–110. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/273402261_Hospital_kanban_system_implementation_Evaluating_satisfaction_of_nursing_personnel DOI: https://doi.org/10.1016/j.iedee.2014.12.001

FAY, L., CAI, H., &; REAL, K. (2018). A Systematic Literature Review of Empirical Studies on

DECENTRALIZED NURSING STATIONS. HERD: Health Environments Research &; Design Journal, 193758671880522. Doi:10.1177/1937586718805222 DOI: https://doi.org/10.1177/1937586718805222

GOMES, J., MARTINS, M., GONÇALVES, M., & FERNANDES, C. (2012). Enfermagem de reabilitação: percurso para a avaliação da qualidade em unidades de internamento. Revista de Enfermagem Referência, III(8), 29–38. Recuperado de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0874-02832012000300003 DOI: https://doi.org/10.12707/RIII1265

HAMADA, P., TOLEDANO, C., LOPES, P., & CASTRO, A. (2016). Notas sobre análises de riscos e gestão de segurança em uma organização hospitalar. Revista Produção e Desenvolvimento, 2(1), 103–113. Recuperado de https://www.researchgate.net/publication/303689596_Notas_sobre_analises_de_riscos_e_gestao_de_seguranca_em_uma_organizacao_hospitalar DOI: https://doi.org/10.32358/rpd.2016.v2.103

LIZARDO, C., & RIBEIRO, P. (2020). A importância da gestão da qualidade e aplicação das suas ferramentas na logística com vista à satisfação dos clientes. Gestão e Desenvolvimento, 28, 3–28. Recuperado de https://revistas.ucp.pt/index.php/gestaoedesenvolvimento/article/view/9463

LORENZETTI, J., ORO, J., MATOS, E., & GELBCKE, F. (2014). Organização do trabalho da enfermagem hospitalar: Abordagens na literatura. Texto e Contexto Enfermagem, 23(4), 1104–1112. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/tce/v23n4/pt_0104-0707-tce-23-04-01104.pdf DOI: https://doi.org/10.1590/0104-07072014001510012

MINISTÉRIO DA SAÚDE (2015). Estratégia Nacional para a Qualidade na Saúde 2015-2020. Recuperado de https://dre.pt/application/file/67318639

MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2020). Relatório Anual - Relatório e Contas do Ministério da Saúde e do SNS. Recuperado de https://www.acss.min-saude.pt/wp-content/uploads/2016/10/Relatorio_Contas_MS_SNS_2020.pdf

ORDEM DOS ENFERMEIROS. (2006). Investigação em Enfermagem - Tomada de Posição (pp. 1–4). Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/tomadasposicao/Documents/TomadaPosicao_26Abr2006.pdf

ORDEM DOS ENFERMEIROS (2015). Core de Indicadores por Categoria de Enunciados Descritivos dos Padrões de Qualidade dos cuidados de Enfermagem de Reabilitação (PQCER). Recuperado de https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/colegios/Documents/2015/MCEER_Ass

RAMOS, S., & TRINDADE, L. (2011). Gestão do risco : Segurança do doente em ambiente hospitalar. Tecno Hospital, 48, 16–20. Recuperado de http://repositorio.chlc.min-saude.pt/bitstream/10400.17/1597/1/SusanaRamos.pdf

REGULAMENTO n.º 140/2019 de 6 de Fevereiro. Diário da República no 26/2019 - 2oSérie. p. 4744– 4750. Ordem dos Enfermeiros, Lisboa, Portugal.

REILING, J., HUGHES, R., G., MURPHY, R., M. (2008). Chapter 28:The Impact of Facility Design on

PATIENT SAFETY. Rockville (MD): Agency for Healthcare Research and Quality (US).Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK2633/

ROCHA, M., GUIMARÃES JÚNIOR, D., SILVA, G., & MENEZES, R. (2016). Aplicação da ferramenta 5S no setor de almoxarifado de um hospital público em Recife - PE. XIII SEGET - Simpósio de Excelência Em Gestão e Tecnologia, pp. 1–11. Recuperado de https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos16/22624393.pdf

SANTANA, E., CUNHA, L., SILVA, F., & MARIZ, F. (2019). Aplicação da ferramenta 5S na gestão de materiais de um almoxarifado hospitalar. ENEGEP, pp. 1-19. Recuperado de http://www.abepro.org.br/biblioteca/TN_STO_291_1641_38608.pdf DOI: https://doi.org/10.14488/ENEGEP2019_TN_STO_291_1641_38608

SWIATKIEWICZ, S. (2016). Gestão de aprovisionamento e logística hospitalar: o caso do Centro Hospitalar de Setúbal, E.P.E. (Tese de Mestrado). Recuperado de https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/17232/1/MCE%20Gest%c3%a3o%20Log%c3%adstica-%20Sofia%20Swiatkiewicz.pdf

Published

2024-05-27

How to Cite

FERNANDES, A. S. de A.; SOARES, S. F. A.; MELO, R. C. C. P. de. Papel do enfermeiro especialista na organização e gestão logística hospitalar: estudo de caso. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 2, p. e1654, 2024. DOI: 10.46919/archv5n2-008. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1654. Acesso em: 14 jun. 2024.