Sofrimento ético-político na atuação docente no ensino superior

Authors

  • Aline Daniele Hoepers
  • Ana Celi Pavão Guerchmann

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n1-024

Keywords:

docência, sofrimento psicológico, ensino superior, psicologia social

Abstract

O espaço universitário, composto por uma pluralidade de encontros e processos de construção de conhecimento, performa-se como campo potencial de transformações histórico-sociais. Todavia, nas tramas nele experienciadas, também se estabelecem dinâmicas sociais desiguais, que provocam vivências de exploração e opressão. Diante disso, este artigo se construiu com a finalidade de criar discussões e tensionamentos acerca de aspectos relacionais e estruturais que produzem e perpetuam expressões de sofrimento ético-político vivenciadas por docentes atuantes neste âmbito. Trata-se de pesquisa de natureza teórico-reflexiva, criada por meio de diálogos junto a produções teóricas que se debruçam direta ou indiretamente neste tema, no intuito de colaborar com o agenciamento de transformações na realidade concreta. Partindo de um posicionamento alicerçado nas contribuições da Psicologia Social Crítica, em interface com outras disciplinas das Ciências Sociais e Humanas, inicialmente, aborda-se a relação entre trabalho e subjetividade na ação docente no ensino superior. Na sequência, discute-se as expressões de sofrimento enquanto sofrimento ético-político, a partir de uma concepção quanto aos afetos que o concebe como processos relacionais. Em seguida, reflete-se sobre as manifestações do sofrimento docente sob a ótica interseccional, que coloca em relevo os impactos articulados de sistemas opressivos. As reflexões criadas, por intermédio de diálogos com contribuições de outros autores e autoras, possibilita-nos concluir que, nas complexas tramas nas e das dinâmicas institucionais e relacionais vividas em instituições de ensino superior, faz-se indispensável desvelar e enfrentar os sistemas opressivos interseccionados rumo à construção de uma universidade de fato democrática, na qual transformações sejam coletivamente forjadas e sofrimentos possam ser acolhidos e superados.

References

Aita, E. B. & Facci, M. G. D. (2011). Subjetividade: uma análise pautada na psicologia histórico-cultural. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, 17(1), 32-47. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v17n1/v17n1a05.pdf

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. Coleção Feminismos Plurais. São Paulo: Pólen Editora.

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: os limites da democracia no Brasil. São Paulo: Boitempo Editora.

Borsoi, I. C. F. (2012). Trabalho e produtivismo: saúde e modo de vida de docentes de instituições públicas de Ensino Superior. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 15(1), 81-100. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/cpst/v15n1/v15n1a07.pdf

Cunha, M. D. (2005). Subjetividade e constituição de professores. In F. González Rey (Org.). Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia (pp. 191-213). São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Esper, M. B. S. B. & Facci, M. G. (2021). Atividades e condições de trabalho do professor universitário: desafios atuais da docência e sua relação com o sofrimento/adoecimento. In S. M. S. Barroco, M. L. T. Zibetti & M. G. D. Facci. (Orgs.). Psicologia e docência no ensino superior: formação e atuação de professores (pp. 304-323). Maringá: Eduem.

Euzébios Filho, A. & Gradella Júnior, O. (2020). Psicologia crítica, práxis política, classe e neoliberalismo: um enfoque na Psicologia brasileira. Teoría y Crítica de la Psicología, 14, 89-111. https://teocripsi.com/ojs/index.php/TCP/article/view/285/294

Ferreira, E. M., Teixeira, K. M. D. & Ferreira, M. A. M. (2002). Prevalência racial e de gênero no perfil de docentes do ensino superior. Revista Katálysis, 25(2), 303-315. https://doi.org/10.1590/1982-0259.2022.e84603

Heller, A. (1993). Teoria de los Sentimientos (3a ed.). México: Editorial Fontamara S. A.

Lorde, A. (2019). Não existe hierarquia de opressão. In H. B. Hollanda (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais (pp. 235-236). Rio de Janeiro: Bazar do Tempo.

Matos, N. S. D., Barroco, S. M. S. & Zibetti, M. L. T. (2021). Docência no ensino superior e a inclusão educacional em meio ao produtivismo acadêmico. In S. M. S. Barroco, M. L. T. Zibetti & M. G. D. Facci. (Orgs.). Psicologia e docência no ensino superior: formação e atuação de professores (pp. 241-264). Maringá: Eduem.

Matos, N. S. D., Feitosa, D. F. S. & Reis, N. M. (2021). Mal-estar docente: interface com as reformas educacionais e o trabalho do professor universitário. In S. M. S. Barroco, M. L. T. Zibetti & M. G. D. Facci. (Orgs.). Psicologia e docência no ensino superior: formação e atuação de professores (pp. 281-301). Maringá: Eduem.

Netto, N. B. & Carvalho, B. P. (2015). Trabalho, universidade e suicídio: uma análise da precarização/intensificação do trabalho docente desde o materialismo histórico-dialético. Revista Advir, (33), 67-85. https://asduerj.org/v7/wp-content/uploads/2022/11/ADVIR33.pdf

Pavão, A. C. & Tomanik, E. A. (2021). Identidade e docência: os desafios de ser e (tras)formar na contemporaneidade. In S. M. S. Barroco, M. L. T. Zibetti & M. G. D. Facci. (Orgs.). Psicologia e docência no ensino superior: formação e atuação de professores (pp. 223-240). Maringá: Eduem.

Pinto, G. A. (2013). Gestão global e flexível: trabalho local e adoecido. In R. Antunes (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II (pp. 165-181). São Paulo: Boitempo.

Ricieri, M. (2022). O gerencialismo e os impactos na saúde mental do sujeito que produz ciência: a mercantilização da educação e da produção científica (Tese de Doutorado). Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Estadual de Maringá, Maringá-PR, Brasil. http://www.ppi.uem.br/arquivos-para-links/teses-e-dissertacoes/2022/marilucia-r

Santos Júnior, A. M., Lopes, S. S. K., Gonçalves, M. G. M. & Rasera, E. F. (2019). Psicologia Social Crítica, Direitos Humanos e Políticas Públicas: fazeres, angústias e resistências. In A. M. Lima, T. R. Lino, L. F. V. Cardoso & M. C. Marra. (Orgs.). Psicologia Social Crítica: tecendo redes e articulando resistências em contextos de retrocesso (p. 98-115). Porto Alegre: ABRAPSO Editora.

Sawaia, B. (1999). Afectividad y temporalidad en el cuerpo teórico metodológico de la Psicología Social: una reflexión sobre el proceso de salud y enfermedad. Revista da AVEPSO, Caracas-VE, 21, 53-64.

Sawaia, B. (2003). Fome de felicidade e liberdade. In Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária. Muitos Lugares para Aprender (pp. 53-63). São Paulo: CENPEC, Fundação Itaú Social, Unicef. https://www5.pucsp.br/nexin/livros/28-07/fome-de-felicidade-liberdade.pdf

Sawaia, B. (2006). O sofrimento ético-político como categoria de análise da dialética exclusão/inclusão. In B. Sawaia (Org.). As artimanhas da exclusão: análise psicossocial e ética da desigualdade social (6. ed., pp. 97-118). Petrópolis: Vozes.

Silva, E. P. (2015). Adoecimento e sofrimento de professores universitários: dimensões afetivas e ético-políticas. Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, 17(1), 61-71. http://dx.doi.org/10.15348/1980-6906/psicologia.v17n1p61-71

Downloads

Published

2024-02-23

How to Cite

HOEPERS, A. D.; GUERCHMANN, A. C. P. Sofrimento ético-político na atuação docente no ensino superior. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 277–291, 2024. DOI: 10.46919/archv5n1-024. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1584. Acesso em: 14 apr. 2024.