Psicoterapia de grupo de orientação psicanalítica: o grupo frente à mulher adicta

Authors

  • Gustavo Chiesa Gouveia Nascimento
  • Flávia Almeida de Carvalho
  • Stella Mara Suman Piasentim

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n1-019

Keywords:

grupo, psicanálise, adicção, gênero

Abstract

O objetivo deste estudo é realizar articulações teórico clínicas que subsidiam a construção e condução do grupo de psicoterapia na clínica das drogadições com mulheres sob uma perspectiva psicanalítica, com foco na interseção entre a condição de ser mulher e ser dependente. Para discutir essas questões, uma cena clínica é apresentada. Como um local de ressonância, o grupo oferece um espaço para a expressão e elaboração de angústias, promovendo a identificação mútua e a reconstrução de relações. A dinâmica transferencial proporciona condições para se trabalhar traumas e reeditar dependências, desempenhando a dupla de terapeutas um papel fundamental na contenção das intensidades emocionais. O grupo para mulheres oferece um ambiente de compreensão das experiências enquanto mulheres adictas. Destaca- se a necessidade de uma abordagem sensível às questões de gênero na construção do dispositivo, visando atender às necessidades específicas das mulheres e evitar reproduzir discriminações e violências simbólicas presentes na sociedade.

References

ALVES, B. M.; PITANGUY, J. O que é feminismo. 8.ed. São Paulo: Brasiliense, 2003.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 3. ed., v. 2. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BRASILIANO, S. Psicoterapia psicanalítica de grupo pra mulheres drogadictas: O que há do feminino? Em: M. BAPTISTA, M. S. CRUZ, & R. MATIAS (Orgs.), Drogas e pós-modernidade: Prazer, sofrimento e tabu (v.1, pp. 199-205). Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Rio de Janeiro, 2003.

BRASILIANO, S. Psicoterapia analítica de grupos com drogaditos: Há uma especificidade afinal? Contribuições para uma discussão. Vínculo, 2(5), 172-185, 2008.

BRASILIANO, S., & HOCHGRAF, P. Comorbidade com transtornos alimentares. Em: S. D. SEIBEL, & A. TOSCANO Jr. (Orgs.), Dependência de drogas (2a ed., pp. 727-747). São Paulo: Atheneu, 2010.

BRASILIANO, S.; NASCIMENTO, G. C. G.; DE BRITO, L. M. A.; ELY, P. Psicoterapia psicanalítica de grupo com alcoolistas e drogaditos. Em: SANTEIRO, T. V.; FERNANDES, B. S.; FERNANDES, W. J. (Orgs.) Clínica de grupos de inspiração psicanalítica: teoria, prática e pesquisa. 1 ed. Londrina. Clínica Psicológica. Pp. 523-545. 2021.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CASTANHO, P. C. G. Uma introdução psicanalítica ao trabalho com grupos em instituições. São Paulo: Linear B Editora, 2018.

CROCHÍK, J. L. A personalidade narcisista segundo a Escola de Frankfurt e a ideologia da racionalidade tecnológica. Psicologia USP, São Paulo, v.1, n. 2, p. 141-154. 1990. Disponível em http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51771990000200005&lng=pt&nrm=iso

DAVIS, A. Mulheres, Raça e Classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

FEDERICI, S. Calibã e a bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007.

GOMES, K. V. A dependência química em mulheres: figurações de um sintoma partilhado. 2010. 226 p. Tese (Doutorado em Psicologia Social) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

GURFINKEL, D. Adicções: Paixão e vício. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2014.

GUSSO, H. C. [et al.] (Org.) Misoginia e Psicanálise. São Paulo. Larvatus Prodeo. 2022.

KAËS, R. O aparelho psíquico grupal. São Paulo: Ideias & Letras. 2017.

KAËS, R. O intermediário na abordagem psicanalítica da cultura. Psicologia USP, 14(3), 15-33. 2003.

KRYSTAL, H. Self representation and the capacity for self care. In: Yalisove, D.L. (Org.) Essential papers in psychoanalysis. Essential papers on addiction (pp.109-146). New York University Press, 1997. (Reprinted from “Annual of Psychoanalysis” 6, 1978, pp. 209-246). 1997.

LIMA, S. A., & FUKS, J. Grupo: Uma alternativa viável? Em: D. X. SILVEIRA, & F. G. MOREIRA. (Orgs.), Panorama atual de drogas e dependências (pp. 240-248). São Paulo: Atheneu. 2006.

MAYER, H. Passagem ao ato, clínica psicanalítica e contemporaneidade. In: CARDOSO, M. R. (org.) Adolescência: reflexões psicanalíticas. Rio de Janeiro: NAU/FAPERJ. 2001.

NASCIMENTO, G. C. G. Instituição adicta: efeitos transferenciais da clínica institucional das drogadições. (Dissertação de mestrado). USP. São Paulo, SP. 2020.

NUNES, S. A. Histeria e psiquiatria no Brasil da Primeira República. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, v. 17, n. 2, p. 373-389, 2011. doi: 10.1590/S0104-59702010000600006.

OLIEVENSTEIN, C. (Org.). A clínica do toxicômano: A falta da falta. Porto

Alegre: Artes Médicas. 1989.

ZANELLO, V. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba. Appris. 2018.

Downloads

Published

2024-02-22

How to Cite

NASCIMENTO, G. C. G.; DE CARVALHO, F. A.; PIASENTIM, S. M. S. Psicoterapia de grupo de orientação psicanalítica: o grupo frente à mulher adicta. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 202–219, 2024. DOI: 10.46919/archv5n1-019. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1577. Acesso em: 14 apr. 2024.