O sentido da vida na ótica do paciente em terapia renal substitutiva: aspectos psicológicos envolvidos

Authors

  • Valdeci Timóteo Martins
  • Margareth Marchesi Reis

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv5n1-015

Keywords:

psicologia, terapia renal substitutiva, sentido da vida

Abstract

 A evolução da doença renal crônica é insidiosa e assintomática, porém, seus estágios mais avançados resultam em implicações severas à vida dos acometidos, levando-os, muitas vezes, a crença de estarem sentenciados à morte, principalmente àqueles submetidos à terapia renal substitutiva (TRS), uma vez que, não raro, sentem-se mais vulneráveis a angustia, tristeza e desesperança. Considerando tais perspectivas, este estudo buscou compreender se o sentido da vida do modo como é percebido pelo paciente renal crônico influencia na maneira deste lidar com a doença. Trata-se de uma pesquisa qualitativa descritiva, fundamentada na abordagem existencialista mediante o método de investigação fenomenológico, realizada em uma instituição particular que presta serviços médico-hospitalares em nefrologia atendendo pacientes oriundos da rede privada e pública de saúde. Participaram desta pesquisa dez pacientes submetidos a algum tipo de TRS, com idades entre 22 e 84 anos, sendo 50% do sexo feminino e 50% do masculino. Os dados foram coletados por meio da técnica de grupo focal. Os resultados revelaram que os pacientes adotaram as seguintes estratégias para lidar com a doença: suporte familiar, aceitação/negação e religião/espiritualidade. O significado atribuído ao sentido da vida é particularizado e relaciona-se a perspectiva presente-futuro, destacando-se: a vontade de viver, amor a si próprio, felicidade, satisfação pessoal e consciência da realidade. Observou-se que ao encontrar um sentido em meio ao sofrimento, o paciente sente-se motivado, adere melhor ao tratamento e nutre expectativas positivas quanto ao futuro. Opostamente, pacientes que não elaboraram essa situação mantêm um discurso de incerteza, desesperança e vazio existencial.

References

ANGERAMI, V. A. Psicoterapia e subjetivação: uma análise de fenomenologia, emoção e percepção. São Paulo: Thomson, 2003.

ANGERAMI, V. A. Psicoterapia existencial. 4 eds. São Paulo:Thomson,2007.

ATKINSON, L.; MURRAY, M. E. Fundamentos de enfermagem: introdução ao processo de enfermagem. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan. 2010.

BACKES, D. S. et al. Grupo focal como técnica de coleta e análise de dados em pesquisas qualitativas. O mundo da saúde, v. 35, n. 4, p. 438-4, 2011. Disponível em:<https://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/grupo_focal_como_tecnica_coleta_analise_dados_pes quisa_qualitativa.pdf >Acesso em: mar. 2019. DOI: https://doi.org/10.15343/0104-7809.2011354438442

BARBOSA, L. N. F.; FRANCISCO, A. L.; EFKEN, K. H. Morte e vida: a dialética humana. Lisboa Portugal: Aletheia, 2008.

BASTOS, M. G.; BREGMAN, R.; KIRSZTAJN, G. M. Doença renal crônica: frequente egrave, mas também prevenível e tratável. Revista da Associação Médica Brasileira. v. 56, n. 2, p.248-253,2010. Disponívelem:<https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000200028>Acesso em: jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302010000200028

BRASIL, Ministério da saúde. Portaria nº 389, de 13 de março de 2014. Define os critérios para a organização da linha de cuidado da pessoa com Doença Renal Crônica (DRC) e institui incentivo financeiro de custeio destinado ao cuidado ambulatorial pré-dialítico, 2014. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0389_13_03_2014_rep.html> Acesso em: mar. 2019.

BRASIL. Doença Renal Crônica – DRC no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Brasília, Ministério da Saúde, 2018. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2018/prt1675_08_06_2018.html>Acessoem abr. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde - CNS. Resolução n°466 de 12 de dezembro de 2012. Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília, Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html> Acesso em abr. 2019.

CAMPOS, G. W. S.; AMARAL, M. A. DO. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teóricos operacionais para a reforma do hospital. Ciência & Saúde Coletiva, v. 12, p. 846-859, 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/j/csc/a/NmPK5MRmgpvw6zwzQ865pBS/?lang=pt>Acessoem:abr. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000400007

CARVALHO, M. F. DE; MOREIRA, M. R. C.; NUNES, C. M. Estágios do pesar nos discursos de jovens em tratamento renal substitutivo. Rev. enferm. UERJ, v. 20, n. 2, p. 203-208, 2012. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/4052> Acesso em: mar. 2012.

CECÍLIO, H. P. M.; DE ARRUDA, G. O.; MARCON, S. S. A dependência do cuidado familiar na perspectiva do doente crônico. Revista de Pesquisa: Cuidado é fundamental online. v. 7, ( n. 4, p. 3305-3316, 2015. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/5057/505750948013.pdf> Acesso em: marc. 2019. DOI: https://doi.org/10.9789/2175-5361.2015.v7i4.3305-3316

FLICK,U.Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. São Paulo:Penso Editora, 2012.

FRANKL, V. E. Em busca de sentido. São Paulo: Vozes, 1999.

FRANKL, V. E. A questão do sentido em psicoterapia. São Paulo: Papirus, 1990.

FREIRE, S. A.; RESENDE, M. C.; SOMMERHALDER, C. Sentido de vida – indagações e perspectivas psicológicas. Cadernos de Psicologia da SBP. v. 1, n. 1, p.11-18, 2000. Disponívelem:<http://www.cadernosdepsicologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/51> Acesso em: mai. 2019.

FREITAS, P. P. W. DE; COSMO, M. Atuação do Psicólogo em Hemodiálise. Rev. SBPH. v. 13, n.1, p.19-32, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582010000100003>Acesso em: set. 2018.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 eds. São Paulo: Atlas, 2009.

GONÇALVES, C. S. As representações sociais sobre a doença renal crônica. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal do Paraná, 2012. Disponível em <http://www.ppgenf.ufpr.br/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Caroline%20Gon%C3%A7alves.pdf> Acesso em: mar. 2019.

GRICIO T. C.; KUSUMOTA L.; CÂNDIDO M. L. Percepções e conhecimentos de pacientes com doença renal crônica em tratamento conservador. Rev Eletr Enferm, 2009. Disponívelem:<https://revistas.ufg.br/fen/article/view/33242/17580>Acessoem:abr.2018. DOI: https://doi.org/10.5216/ree.v11i4.33242

HEIDEGGER, M. Introdução à Metafísica. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. v. I e II. Tradução de Márcia de Sá Cavalcante. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

IBIAPINA, A. R. S. et al. Aspectos Psicossociais do Paciente Renal Crônico em Terapia Hemodialítica. SANARE – Revista de Políticas Públicas, v. 15, n.1, 2016. Disponível em: <https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/viewFile/924/553>Acessoem:mar.2018

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. 1 ed. Tradução Paulo Menezes. São Paulo: Martins Fontes, 1981.

MACEDO, R. M. A família do ponto de vista psicológico: lugar seguro para crescer? Cadernos de Pesquisa. v. 91, p. 62-68. 2013. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/877/883>Acessoem:mai.2019.

MADEIRO, A. C. et al. Adesão de portadores de insuficiência renal crônica ao tratamento de hemodiálise. Acta Paul Enferm. v. 23, n. 4, p.546-51, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n4/16.pdf> Acesso em:jan.2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000400016

MATURANA, A. P. P. M.; CALLEGARI, B.; SCHIAVON, V. Atuação do psicólogo hospitalar na insuficiência renal crônica. Psicologia Hospitalar. v. 14, n. 1, p. 94-116, 2016. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-74092016000100006>Acesso em: dez. 2019.

PACHECO, G. S.; SANTOS, I. DOS. Cuidar de cliente em tratamento conservador para doença renal crônica: apropriação da teoria de orem. Rev. enferm. UERJ. v. 13, n. 2, p. 257-262,2005. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-413376> acesso em: out. 2019.

PECOITS, R. F. S. ; RIBEIRO, S. C. Modalidades de terapia renal substitutiva: hemodiálise e diálise peritoneal. São Luís: UNASUS/UFMA, 2014.

PESTANA, J. O. M. DE A. (org). Transplante renal. São Luís: UNASUS/UFMA, 2014.

PINTO, A. N. ; FALCÃO, E. B. M. Religiosidade no contexto médico: entre a receptividade e o silêncio. Rev. bras. educ. méd. v. 38, n. 1, p. 38-46, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-55022014000100006&script=sci_abstract&tlng=pt>Acesso em: nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-55022014000100006

REIS, C. K. DOS; GUIRARDELLO, E. B.; CAMPOS, C. J. G. O indivíduo renal crônico e as demandas de atenção. Rev. bras. enferm. v. 61, n. 3, p. 336-341, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672008000300010&script=sci_abstract&tlng=pt>Acesso em: nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672008000300010

RESENDE, M. G. et al. Atendimento psicológico a pacientes com insuficiência renal crônica: em busca de ajustamento psicológico. Psicol. clin., Rio de Janeiro. v. 9; n. 9, p. 87-99,2007. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0103-56652007000200007> Acesso em: mai. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-56652007000200007

RUDNICKI, T. Doença renal crônica: vivência do paciente em tratamento de hemodiálise. Contextos Clínicos. v. 7, n. 1, p. 105-116, 2014. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822014000100011&lng=pt&nrm=iso> acesso em: out. 2019. DOI: https://doi.org/10.4013/ctc.2014.71.10

SALGADO, C. L. ; BRANCO, M. M. M. C.; MACHADO, P. M. A. A família no processo de cuidar do paciente com doença renal crônica. 1 ed.São Luiz, EDUFMA, 2016.

SANTOS, I.; ROCHA, R. P. F.; BERARDINELLI, L. M. M. Necessidades de orientação de enfermagem para o autocuidado de clientes em terapia de hemodiálise. Revista Brasileira de Enfermagem, V. 64, n. 2, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000200018>acesso em: jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-71672011000200018

SARTRE, J. P. Questão de método. In Coleção Os pensadores. 3 ed. p. 109-191. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

SARTRE, J. P. O ser e o Nada: Ensaio de Antologia. Petrópolis: Vozes, 1997.

SESSO, R. C. et al. Inquérito Brasileiro de Diálise Crônica 2016. J. Bras. Nefrol. v. 39, n. 3, p. 261-266, 2017. Disponívelem:<http://www.scielo.br/pdf/jbn/v39n3/pt_0101-2800-jbn-39-03-0261.pdf> Acesso em: jan. 2019. DOI: https://doi.org/10.5935/0101-2800.20170049

SETTE, L.; TITAN, S.; ABENSUR, H. Princípios básicos de nefrologia. São Paulo: Artmed, 2013.

SIQUEIRA, M. P. M. Enfrentamento religioso em situações de sofrimento. Dissertação de mestrado. Puc. São Paulo, 2012. Disponível: <https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15128> acesso em: dez. 2018.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. Censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia 2017, São Paulo. v. 39, n. 3,2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbn/v39n3/pt_0101-2800-jbn-39-03-0261.pdf>Acassoem:nov.2018.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA. SBN Informa, Publicação Oficial da Sociedade Brasileira de Nefrologia, v. 25, n. 114, 2018. Disponível em: <https://arquivos.sbn.org.br/uploads/sbninforma114-2.pdf>Acassoem:jan.2019.

Downloads

Published

2024-02-09

How to Cite

MARTINS, V. T.; REIS, M. M. O sentido da vida na ótica do paciente em terapia renal substitutiva: aspectos psicológicos envolvidos. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 151–171, 2024. DOI: 10.46919/archv5n1-015. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1566. Acesso em: 3 mar. 2024.