Avaliação da implantação das normas preconizadas nas sala de vacinação

Authors

  • Raquel Jaqueline Farion
  • Karin Regina Luhm
  • Nilza Terezinha Faoro

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n3-026

Keywords:

vacinas, pesquisa sobre serviços de saúde, segurança do paciente

Abstract

Objetivo: Analisar a estrutura e processo de trabalho nas salas de vacinas das Unidades Básicas de Saúde em Curitiba. Método: Pesquisa avaliativa, transversal, de abordagem quantitativa, realizada entre março e outubro de 2017. Foi utilizado um questionário e observação in loco nas salas de vacinação. Resultados: Foram avaliadas 109 salas de vacinação, sendo que 78,90% delas funcionavam 12 horas por dia ininterruptamente; 60,5% tinham mais de 50% da equipe que atuava em sala de vacinação capacitada há menos de cinco anos; aspectos gerais da sala de vacina, cinco itens apresentaram índice de adequação menor que 90%. Um item inadequado na Rede de Frio. O menor nível de adequação foi encontrado nos procedimentos técnicos. Conclusão: O estudo apontou fragilidades no horário de atendimento da sala de vacinação, na supervisão do enfermeiro e nos procedimentos técnicos. Há necessidade de avanços no processo de trabalho.

References

ESKOLA, J. et al. The Group on Vaccine Hesitancy. How to deal with vaccine hesitancy? Vaccine, Volume 33, Issue 34, 2015, Pages 4215-4217. https://doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.043 DOI: https://doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.04.043

BALLALAI, I.; BRAVO, F. (Org.) Imunização: Tudo o que você sempre quis saber. Rio de Janeiro: RMCOM, 2016, 277 p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional de Imunizações (PNI): 30 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2003a. 236 p.: il

LUHM, KR, CARDOSO, MRA, WALDMAN, E. Cobertura vacinal em menores de dois anos a partir de registro informatizado de imunização em Curitiba, PR. Rev. Saúde Pública, São Paulo 2011, vol.45, pp.90-98. https://doi.org/10.1590/S0034-89102010005000054 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102010005000054

WANG E, BARAS Y, BUTTENHEIM AM. "Everybody just wants to do what's best for their child": Understanding how pro-vaccine parents can support a culture of vaccine hesitancy. Vaccine. 2015 Nov 27;33 (48):6703-9. doi: 10.1016/j.vaccine.2015.10.090. Epub 2015 Oct 27. PMID: 26518397; PMCID: PMC5554443 DOI: https://doi.org/10.1016/j.vaccine.2015.10.090

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância epidemiológica de eventos adversos pós-vacinação– 4. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020b.

VIACAVA, F. et al. Avaliação de desempenho de sistemas de saúde: um modelo de análise. Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17(4):921-34. Https:// doi.org /10.1590/S1413-81232012000400014 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000400014

KUMURU, OS. et al. Vaccine instability in the cold chain: mechanisms, analysis and formulation strategies. Biologicals. 2014 Sep;42(5):237-59 DOI: https://doi.org/10.1016/j.biologicals.2014.05.007

OLIVEIRA, VC. et al. Supervisão de enfermagem em sala de vacina: a percepção do enfermeiro. Texto & Contexto – Enfermagem. Florianópolis, v. 22, n. 4, p. 1015-1021, Dec. 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000400018.

DONABEDIAN A. Explorations in Quality Assessment and Monitoring: The Definition of Quality and Approaches to Its Assessment. Ann Arbor: Health Administration Press; 1980

FURTADO JP, SILVA LM. A avaliação de programas e serviços de saúde no Brasil enquanto espaço de saberes e práticas. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. 12, p. 2643-2655, dez. 2014. https://doi.org/10.1590/0102-311X00187113 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00187113

OLIVEIRA, RTQ, et al. Evaluation matrix for health promotion programs in socially vulnerable territories. Ciênc. Saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 12, p. 3915-3932, Dec. 2017. https://doi.org/10.1590/1413-812320172212.24912017 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320172212.24912017

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional De Imunizações. Programa de Avaliação do Instrumento de Supervisão Sala de Vacinação – PAISSV (Versão 2.0) dezembro de 2004c.

OLIVEIRA, VC. et al. Supervisão de enfermagem em sala de vacina: a percepção do enfermeiro. Texto & Contexto – Enfermagem. Florianópolis, v. 22, n. 4, p. 1015-1021, Dec. 2013. https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000400018. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072013000400018

OLIVEIRA, VC. et al. Avaliação da qualidade de conservação de vacinas na Atenção Primária à Saúde. Cienc. Saúde Coletiva. 2014 set;19(9):3889-98. https://doi.org/10.1590/1413-81232014199.12252013 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232014199.12252013

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação / Ministério Da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014d

BARROS, MGM. et al. Perda de oportunidade de vacinação: aspectos relacionados à atuação da atenção primária em Recife, Pernambuco, 2012. Epidemiologia Serviços Saúde, Brasília, 24(4):701-710, out-dez 2015. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000400012

LUNA, GLM. et al. Aspectos relacionados à administração e conservação de vacinas em centros de saúde no Nordeste do Brasil. Cienc. Saúde Coletiva. 2011 fev;16(2):513-21. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000200014

VASCONCELOS KCEV, ROCHA AS, AYRES JA. Avaliação normativa das salas de vacinas na rede pública de saúde do Município de Marília, Estado de São Paulo, Brasil, 2008-2009. Epidemiol Serv. Saúde. 2012 jan-mar;21(1):167-76. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742012000100017

SIQUEIRA, LG. et al. Avaliação da organização e funcionamento das salas de vacina na Atenção Primária à Saúde em Montes Claros, Minas Gerais, 2015. Epidemiol. Serv. Saúde [Internet]. 2017 Set [citado 2022 Abr 25] ; 26( 3 ): 557-568. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742017000300557&lng=pt. http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000300013.

RIBEIRO, DO. et al. Qualidade da conservação e armazenamento dos imunobiológicos da rede básica do Distrito Sul de Campinas. Journal of the Health Sciences Institute / Universidade Paulista. 2010;28(1):21-8

ARAÚJO, ACM. et al. Avaliação das salas de vacinação do estado de Pernambuco no ano de 2011. Epidemiol Serv. Saúde. 2013 abr-jun;22(2):255-64. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742013000200007

BRASIL. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de rede de frio do Programa Nacional de Imunizações. 5.ª edição Brasília: Ministério da Saúde, 2017e

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1533, de 18 de agosto de 2016. Redefine o Calendário Nacional de Vacinação, o Calendário Nacional de Vacinação dos Povos Indígenas e as Campanhas Nacionais de Vacinação, no âmbito do Programa Nacional de Imunizações (PNI), em todo o território nacional.2016f.

CUNHA, J. et al. Avaliação da padronização dos procedimentos nas salas públicas de vacinas do município de Itabaiana, Sergipe, Brasil. Rev. Bras. Pesq. Saúde, Vitória, 20(1): 70-78, jan-mar, 2018. Disponível em <https://periodicos.ufes.br/index.php/rbps/article/view/20610/13855> acesso, 07 abril, 2022. DOI: https://doi.org/10.21722/rbps.v20i1.20610

BISETTO LHL, CIOSAK SI. Análise da ocorrência de evento adverso pós vacinação decorrente de erro de imunização. Revista Brasileira de Enfermagem, 2017; 70(1): 87-95. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2016-0034

DOMINGUES CMAS, TEIXEIRA MAS. Coberturas vacinais e doenças imunopreveníveis no Brasil no período 1982-2012: avanços e desafios do Programa Nacional de Imunizações. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 22(1), 9-27. (2013). https://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742013000100002 DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742013000100002

TEIXEIRA,TBC. et al. Assessment of patient safety in vaccination rooms. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2021 [cited YEAR MONTH DAY]; 30:e20200126. Available from: https://doi.org/10.1590/1980-265X-TCE-2020-0126 DOI: https://doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2020-0126

BATISTA, ECC. et al. The influence of nursing team’s behavior in adverse event following immunization surveillance. Rev Bras Enferm. 2022;75(3): e20210132. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0132 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2021-0132

MARTINS, JRT. et al Permanent education in the vaccination room: what is the reality? Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(Suppl 1):668-76. [Thematic Issue: Contributions and challenges of nursing practices in collective health] DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0560 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0560

Downloads

Published

2023-10-09

How to Cite

FARION, R. J.; LUHM, K. R.; FAORO, N. T. Avaliação da implantação das normas preconizadas nas sala de vacinação. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 1032–1046, 2023. DOI: 10.46919/archv4n3-026. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1426. Acesso em: 14 jun. 2024.