Determinação de metais em alimentos enlatados: análise em embalagens íntegras e avariadas de ervilha, milho, abacaxi e pêssego

Authors

  • Fernanda Presbítero de Albuquerque Dainez
  • Edeli Simioni de Abreu

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n3-022

Keywords:

metais pesados, enlatados, alimentos contaminados

Abstract

A qualidade dos alimentos depende, além dos aspectos nutricionais, dos métodos de produção, da manufatura, da disposição, do transporte e do armazenamento. As embalagens de alimentos vêm melhorando com as evoluções tecnológicas, com folhas de espessura menor e materiais alternativos para a produção das latas, além das reduções de custo. É necessário que o monitoramento dessas embalagens seja feito, para verificar as interações dos materiais com os alimentos que serão armazenados nas mesmas, pois das interações podem derivar contaminações e reações tóxicas para o consumidor. Trinta elementos da tabela periódica podem ser considerados tóxicos para os humanos. Os metais pesados que apresentam mais relatos na literatura são: mercúrio, alumínio, chumbo, estanho, cádmio, níquel, arsênio, bismuto, urânio, bário, cromo, manganês e antimônio Os metais pesados não são sintetizados ou destruídos pelo homem, a sua presença pode ser controlada com a limitação do uso dos produtos agrícolas e com a proibição da produção de alimentos nos solos contaminados. De acordo com o cenário exposto e para verificar a hipótese da contaminação por metais pesados, justifica-se determinar a concentração total de zinco (Zn), cádmio (Cd), estanho (Sn), chumbo (Pb), alumínio (AL) e ferro (Fe) em alimentos enlatados em condições normais de estocagem. Trata-se de um estudo experimental de delineamento transversal que analisou embalagens de ervilha, milho, abacaxi e pêssego enlatados, foram obtidas três marcas distintas de cada, escolhidas de forma intencional, de acordo com variação de preço (baixo, médio e elevado). Foram adquiridas duas latas de cada marca, sendo uma íntegra e outra com amassamento nas regiões intermediária ou inferior. As análises laboratoriais foram executadas no laboratório de química da Universidade Presbiteriana Mackenzie - UPM. Foi necessário um pré-tratamento das amostras para posterior análise. As concentrações de chumbo, cádmio, alumínio, zinco e ferro nas amostras foram avaliadas em triplicatas, através da espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica. Quanto a abertura da amostra, constatou-se que o pré-tratamento das amostras em meio ácido correspondeu à expectativa, pois empregando este método de abertura ácida, observou uma dissolução completa da amostra. A técnica empregada de espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica, também se mostrou bastante eficiente para a análise dos metais, pois as concentrações presentes na amostra, são muito baixas, permitindo usar esta técnica que apresenta alta sensibilidade. Chumbo e Cádmio não foram encontrados em nenhuma das amostras, sendo assim estão de acordo com as leis de contaminantes em alimentos, porém foram encontradas diferenças significativas de zinco, alumínio e ferro, portanto a população deve estar sempre alerta e não consumir estes alimentos em grande quantidade durante longos períodos. 

References

AOAC – ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official Methods of Analysis. Arlington, AOAC, 1984.

AVILA-CAMPOS, M. J. Metais Pesados e Seus Efeitos. Disponível em: www.mundodoquimico.hpg.com.br; 2008. Acesso em: 31 mar. 2012.

BARRETTO, J. R; SILVA, L. R. Intoxicações Alimentares. In: SILVA, L. R.; MENDONÇA, D. R.; MOREIRA D. E. Q. (ORG.). Pronto atendimento em pediatria. 2ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

BEIRÃO, F. A. P. Avaliação dos teores em metais em produtos de origem vegetal enlatados. Repositório Universidade Nova. Acesso em 15/04/2014 < http://hdl.handle.net/10362/11000>

BRASIL. Resolução RDC nº. 20, de 22 de março de 2007: Regulamento Técnico sobre Disposições para Embalagens, Revestimentos, Utensílios, Tampas e Equipamentos Metálicos em Contato com Alimentos. 22/03/2007.

BRASIL. Portaria nº 16 de 13 de março de 1990: Fixa Limites Máximos de Tolerância de Chumbo em Alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 15. mar. 1990. Seção I, p. 5436.

BRASIL. Portaria n º 685, de 27 de agosto de 1998: Princípios Gerais para o Estabelecimento de Níveis Máximos de Contaminantes Químicos em Alimentos. D.O.U. nº 165-E, de 28/08/98, Seção I, págs. 28 e 29.

BRASIL. Resolução RDC nº 42, de 29 de agosto de 2013: Regulamento Técnico MERCOSUL sobre Limites Máximos de Contaminantes Inorgânicos em Alimentos. Diário Oficial da União, Brasília, 30. Ago. 2013. Seção I, p. 33.

CE - COMUNIDADES EUROPEIAS. Regulamento (CE) N.o 1881/2006 da Comissão de 19 de Dezembro de 2006 que fixa os teores máximos de certos contaminantes presentes nos gêneros alimentícios. Jornal Oficial da União Europeia de 20/12/2006.

DANTAS, S. T. Embalagens metálicas e sua interação com alimentos e bebidas. Campinas, SP: CETEA/ITAL ,1999.

DAROLT, M. R. Comparação da Qualidade do Alimento Orgânico com o Convencional In: STRIGHETA, P.C & MUNIZ, J.N. Alimentos Orgânicos: Produção, Tecnologia e Certificação.1 ed. Viçosa : Universidade Federal de Viçosa - UFV, 2003, p. 289-312.

JAIME, S. B. M. et al. Estabilidade do molho de tomate em diferentes embalagens de consumo. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 18, n. 2, Maio 1998 .

MAFRA, D.; COZZOLINO, S. M. F. Importância do zinco na nutrição humana. Rev. Nutr. Campinas, v.17(1). p.79-87, 2004.

NIEKRASZEWICZ, B. A. L. Embalagens metálicas e alimentos: o caso do atum enlatado. 2010. 65f. Dissertação (Mestrado em Ciências dos Materiais). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2010

PASCALICCHIO, E. A. A. O Diálogo entre a Saúde Pública e a Medicina Ortomolecular: Um estudo de caso da contaminação por metais pesados, na perspectiva humana, através do mineralograma capilar. 2002. 128f. Tese (Doutorado em Saúde Ambiental). Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2002.

POÇAS, M. F. F, MOREIRA, R. Segurança Alimentar e Embalagem. ESB-UCP, Porto, 2003.

PROENÇA, R. P. C. P; POULAIN J. Sociologia da alimentação: um enfoque na compreensão dos comportamentos alimentares. In: Taddei JAAC, coordenador. Jornadas científicas do Núcleo Interdepartamental de Segurança Alimentar e Nutricional. Barueri: Manole; 2007. p.165-178.

SALGADO, P. E. T. Metais em alimentos. In: OGA, S. Fundamentos de toxicologia. São Paulo, 1996. cap. 5.2, p. 443-460.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e pequenas Empresas, Brasília. Acesso em 16/05/2014 < http://www.sebraemg.com.br/atendimento/bibliotecadigital/documento/Cartilha-Manual-ou-Livro/Fabrica-de-Conservas>

SIFF, J. E.; MELDON, S. W.; TOMASSONI, A. J. Usefulness of the total iron binding capacity in the valuation and treatment of acute iron overdose. Ann Emerg Med. v.33. p.73-6, 1999.

SILVA, L. R. M., DIAZ, J. F. Medida de metais pesados em alimentos enlatados. LUME: Repositório Digital UFRGS. Acesso em 10/04/2014 <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/53419/000568454.pdf?sequence=1>

TYBOR, P. T et al. Prventing chemical foodborne illness- Bulletin 1042/Nov 1990 - The University of Georgia and F.T Valley Stok agriculture and Countries of state cooperating.

Downloads

Published

2023-10-05

How to Cite

DAINEZ, F. P. de A.; DE ABREU, E. S. Determinação de metais em alimentos enlatados: análise em embalagens íntegras e avariadas de ervilha, milho, abacaxi e pêssego. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 3, p. 981–994, 2023. DOI: 10.46919/archv4n3-022. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1423. Acesso em: 28 feb. 2024.