Aleitamento materno exclusivo - avaliação da assistência de enfermagem em hospital escola

Authors

  • Lilia Cardoso de Ramos
  • Cleusa Alves Martins
  • Olendina Aparecida da Silva Cunha
  • Eudine Barbosa Lima
  • Wilson Pereira de Queiroz
  • Rejane Garcia Franco
  • Kamilla Cardoso Lima Paula Neri

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n2-023

Keywords:

aleitamento materno, desmame precoce, puerpério

Abstract

INTRODUÇÃO: o aleitamento materno é uma estratégia natural de vínculo, afeto, proteção e nutrição para o recém-nascido, constitui-se a forma mais econômica e eficaz de intervenção na redução da morbimortalidade infantil. Permite um grande impacto na promoção da saúde integral do bebê. OBJETIVOS: Caracterizar o conhecimento das puérperas sobre o manejo do aleitamento materno exclusivo e analisar as orientações dos profissionais de enfermagem quanto ao aleitamento materno exclusivo. METODOLOGIA: Estudo descritivo, exploratório, de abordagem qualitativa. Os dados foram coletados por meio de entrevista semi-estruturada em 13 nutrizes internadas na maternidade de um hospital escola, em Goiânia, Goiás, durante o mês de novembro de 2013. o projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Humana e Animal, sob o protocolo nº455.875, e Resolução 466/12 CNS. RESULTADOS: Utilizou-se análise de conteúdo segundo Minayo, para tanto elaborou-se quatro categorias temáticas:orientações; dificuldades na amamentação; benefícios da amamentação e direitos da nutriz. Caracterização dos sujeitos: constitui-se de três adolescentes, oito até 30 anos e duas acima de 30 anos de idade. Renda mensal entre R$125,00 e R$467,00. Estado civil, uma casada, cinco união estável e sete solteiras. a prole variou de um a quatro filhos. Escolaridade: quatro ensino fundamental incompleto, três ensino médio completo e uma ensino superior incompleto e cinco não informaram. Os depoimentos revelaram que não apenas a enfermagem orientou, mas também a fonoaudióloga. Identificou-se que os profissionais de saúde algumas vezes deixaram de orientar as nutrizes acerca do aleitamento materno exclusivo e suas vantagens para o recém-nascido e para a mãe. As depoentes relataram dificuldades durante o aleitamento materno, especialmente à pega e que em alguns momentos recebeu orientação, da equipe de enfermagem quanto ao manejo. Identificou-se que as nutrizes raramente foram informadas sobre seus direitos trabalhistas. CONCLUSÃO: a análise dos depoimentos revelou que os profissionais de enfermagem algumas vezes têm negligenciado seu papel de orientador a respeito das dificuldades na amamentação às mães que precisam de ajuda, assim a equipe deve intervir auxiliando as nutrizes a encontrarem maneiras de lidar, sem esforços desnecessários a garantir o sucesso do aleitamento materno exclusivo. Observou-se que os profissionais de enfermagem oferecem diversas informações pertinentes ao aleitamento materno, porém as condutas não são padronizadas. Embora algumas nutrizes tenham afirmado conhecimentos prévios ou adquiridos durante o período de internação acerca de alguns benefícios do aleitamento materno, este estudo revela a importância das instituições investir em educação continuada de forma efetiva, contribuindo com a redução do desmame precoce.

References

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção a saúde. Departamento de ações programáticas e estratégicas. Pacto nacional pela redução da mortalidade materna e neonatal. Brasília: Ministério da Saúde, 2004a.

Organização Mundial da Saúde, Fundo das Nações Unidas para a Infância. Reunião conjunta OMS/UNICEF sobre a alimentação de lactentes e crianças na primeira infância. Brasília. DF: UNICEF; 1980 (cap. Proenf) apud (SANTO, LCE. Formulação e implementação de Políticas Públicas de Promoção, Proteção e Apoio à Amamentação no Brasil. Sistema de Educação em Saúde Continuada a Distância. Programa de Atualização em Enfermagem. Saúde Materna e neonatal. Artmed, Porto Alegre. 2010; Ciclo 1. Módulo 4: 9-37.)

Fujimori, M. Aleitamento materno: saberes e práticas na atenção básica à saúde de dois municípios do sudoeste mato-grossense [dissertation]. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública/USP; 2012.

Camilo DF, Carvalho RVB, Oliveira EF de, Moura EC de. Prevalência da amamentação em crianças menores de dois anos vacinadas nos centros de saúde escola. Revista de Nutrição, São Paulo. 2004;17(1): 29-36.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de promoção da saúde. Brasília, 2006

Toma TS, Rea MF. Benefícios da amamentação para a saúde da mulher e da criança: um ensaio sobre as evidências. Caderno Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2008;24(2):235-246.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Brasília, 2009b; 23: 112 p.

Percegoni N, Araújo RMA, Silva MMS, Euclydes MP, Tinoco ALA. Conhecimento sobre aleitamento materno de puérperas atendidas em dois hospitais de Viçosa. Revista Nutrição. São Paulo. 2002;15(1): 20-35.

Silva AAM. Amamentação: fardo ou desejo? Estudo histórico social dos deveres e práticas sobre aleitamento na sociedade brasileira. [dissertation]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto/UNESP; 1990.

Ciconi RCV, Venâncio SI, Escuder MM. Avaliação dos conhecimentos de equipes do Programa de Saúde da Família sobre o manejo do aleitamento materno em um município da região metropolitana de São Paulo. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Recife. 2004;04(2):193-202.

Brasil. Ministério da Saúde. II Pesquisa de prevalência do aleitamento materno nas capitais e no Distrito Federal. Ministério da Saúde. Brasília. 2009c.

Mayan, MJ. [An introduction to qualitative methods: a training module for students and professionals]. Edmonton, Universidade of Alberta, 2001 apud Bocchi SCM, Juliani CMCM, Spiri WC. MÉTODOS QUALITATIVOS DE PESQUISA: uma tentativa de desmistificar a sua compreensão. faculdade de medicina/UNESP BOTUCATU, 2008: 20 p.

Araújo RMA, Almeida JAG. Aleitamento materno: desafio de compreender a vivência. Revista de Nutrição. São Paulo. 2007;20(4): 431-438.

Volpini CCA, Moura EC. Determinantes do desmame precoce no distrito noroeste de Campinas. Revista Nutrição. São Paulo. 2005;(18):311-9.

Cremonese L, Wilhelm LA, Santos CC, Alves CN, Martello NV, Silva SC, et al. Dificuldades vividas no processo do aleitamento materno. Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Rio Grande do Sul. 2011: 3.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de capacitação de equipes de Unidades Básicas de Saúde na Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação (IUBAAM): Curso de 24 horas. Brasília, DF, 2003: 196 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cartilha para a mãe trabalhadora que amamenta. Brasília, DF, 2010: 23 p.

Moço GAR, Moretto Carmen COA. Amamentação: conhecimento materno sobre sua importância. Rio de Janeiro, 2008.

Toma TS, Monteiro CA. Avaliação da promoção do aleitamento materno nas maternidades públicas e privadas do município de São Paulo. Rev Saúde Pública. 2001;35:409-14; OMS. Organização Mundial de Saúde. Evidências científicas dos dez passos para o sucesso no aleitamento materno. Brasília: OPAS, 2001.

Ministério da Saúde [Internet]. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Agenda de compromissos para a saúde integral da criança e redução da mortalidade infantil. Brasília, DF, 2004b. Available from: http://www.ministeriodasaude.go.gov.br/home/agendadecompromissos.

Downloads

Published

2023-07-06

How to Cite

DE RAMOS, L. C.; MARTINS, C. A.; CUNHA, O. A. da S.; LIMA, E. B.; DE QUEIROZ, W. P.; FRANCO, R. G.; NERI, K. C. L. P. Aleitamento materno exclusivo - avaliação da assistência de enfermagem em hospital escola. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 614–626, 2023. DOI: 10.46919/archv4n2-023. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1368. Acesso em: 12 apr. 2024.

Most read articles by the same author(s)