Terapias integrativas e complementares: um estudo bibliométrico acerca da produção científica brasileira

Authors

  • Yasmin da Silva Rodrigues
  • Manoel Carlos de Oliveira Júnior

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n2-021

Keywords:

terapias alternativas, terapias complementares, análise bibliométrica

Abstract

Com o aumento da busca pela saúde, bem estar e qualidade de vida, a procura por Terapias Alternativas e Complementares vem crescendo nos últimos anos. Nesse sentido, a presente pesquisa teve como objetivo conhecer e analisar as principais características das produções científicas acerca das Terapias Alternativas e Complementares desenvolvidas e publicadas no Brasil durante os últimos 4 anos, além de apontar os principais resultados encontrados nesses estudos. Para isso, o método escolhido foi a bibliometria, um estudo quali-quantitativo e de análise de conteúdo. Entre os 55 trabalhos analisados, foi identificado que o ano de 2020 foi o ano com o maior número de publicações, representando 36,4%. Constatou-se, também, que 73,7% da amostra coletada foram produzidas por mulheres e que as Regiões Sul e Sudeste são as que apresentam o maior índice de publicações. Os artigos analisados apresentaram aspectos importantes relacionados a autoria, perfil do pesquisador, mensuração da quantidade de revistas acadêmicas e configuração temporal e geográfica.

References

ARAÚJO, C. A. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1). http://doi.org/10.19132/1808-5245121.

BELLO, S.F., PIZZANI, L., HAYASHI, M.C.P.I. Descritores e suas interrelações: fonoaudiologia e educação especial. Distúrbios da Comunicação, v. 22, n. 2, p.149-57, 2010.

BRASIL, Cartilha do SUS (Sistema único de Saúde), 2006.

BRASIL (2012). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica/Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/praticas_integrativas_complementares_p lantas_medicinais_cab31.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Glossário temático: Práticas integrativas e complementares em saúde. Brasília, 2018.

BRASIL. Portaria nº 702, de 21 de mar. de 2018. Altera a Portaria de Consolidação

n. 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na PNPIC, Brasília, DF, mar. 2018.

CAPRA, F. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. São Paulo, Cultrix; 2012.

Dia Nacional da Saúde. Biblioteca virtual em saúde - Ministério da Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/05-8-dia-nacional-da-saude/. Acesso em: 10/08/2022.

FERREIRA, M. P. A bibliometric study on ghoshal´s managing across borders. The MULTINATIONAL Business Review, v. 19, n. 4, p. 357-375, 2011. DOI: https://doi.org/10.1108/15253831111190180

FORNAZARI, Silvia Aparecida; FERREIRA, Renatha El Rafihi. Religiosidade/espiritualidade em pacientes oncológicos: qualidade de vida e saúde. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 26, p. 265-272, 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722010000200008

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ (Brasil). Fiocruz mapeia hábitos do brasileiro durante a pandemia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2021. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/noticia/fiocruz-mapeia-habitos-do-brasileiro-durante-pandemia #:~:text=Compartilhar%3A,da%20pandemia%20de%20Covid%2D19.

GARCIA, Débora. GATTAZ, Cristiane. GATTAZ, Nilce. A Relevância do Título, do Resumo e de Palavras-chave para a Escrita de Artigos Científicos. Revista de Administração Contemporânea. Maringá, PR, Brasil, v. 23, n. 3, maio/junho, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-7849rac2019190178

GIL. Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUALDA, D.M.R. LIMA E.N. Um estudo do nascimento da perspectiva transcultural. In: Gualda DMR, Campos EA, Praça NS, Salim NR, Soares GCF. Nascimento: Perspectivas antropológicas. São Paulo: Ícone; 2017.

LIMA, Karla Morais Seabra Vieira; SILVA, Kênia Lara; TESSER, Charles Dalcanale. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: experiência de um serviço municipal de saúde. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, [S.L.], v. 18, n. 49, p.261-272, 10 mar. 2014. DOI: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0133

MARQUES, A.M.P.; PEREIRA NETO, M. R. Das Medicinas Tradicionais às Práticas Integrativas e Complementares em Saúde: Caracterização dos recursos humanos nas Práticas Alternativas de Saúde adotadas no Distrito Federal. Brasília: UnB, Observa RH, NESP, 2010.(Série Observação, 4), p. 31-42.

MADRUGA, Juliana Gorziza. Práticas integrativas utilizadas por profissionais de enfermagem no cuidado emocional e psíquico: uma revisão integrativa. 2019. p.10.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; HARTZ, Zulmira Maria de Araújo; BUSS, Paulo Marchiori. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & saúde coletiva, v. 5, p. 8-15, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232000000100002

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS – PNPIC – SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Disponível em: https://aps.saude.gov.br/ape/pics. Acesso em: 20/08/2022.

NOGUEIRA, Maria Jacyra de Campos. Abordagem holística: uma proposta para a enfermagem brasileira. In: Anais do XXXVII Congresso Brasileiro de Enfermagem. Recife: ABEn, p. 508-526, 1986.

Pais Ribeiro, J. (2009). A importância da qualidade de vida para a psicologia da saúde. In: J. P. Cruz, S.N. de Jesus, & C Nunes (Coords). Bem-Estar e Qualidade de Vida (pp.31-49). Alcochete: Textiverso.

PEREIRA, M. A. JUNIOR, A. F. HAYASHI, M. C. P. I. Os Institutos Históricos e Geográficos no Brasil: Estudo bibliométrico no banco de teses da CAPES. In: HAYASHI, M. C. P. I. FARIA, L. I. L.; HAYASHI, C. R. M. (Org.). Bibliometria e cientometria: estudos temáticos. São Carlos: Pedro e João Editores, 2013. p. 229-246.

QUEIROZ, MS. Saúde e doença: um enfoque antropológico. Bauru (SP): EDUSC; 2003.

RAMOS-RODRÍGUEZ, A. R.; RUÍZ-NAVARRO, J. Changes in the intellectual structure of strategic management research: a bibliometric study of the strategic management journal. 1980-2000. Strategic Management Journal, v. 25, p. 981-1004, 2004. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.397

Silva, C. R. Gobbi, B. C.; Simão, A. A. (2005). O uso da análise de conteúdo como uma ferramenta para a pesquisa qualitativa: descrição e aplicação do método. Organizações Rurais Agroindustriais, Lavras, 7 (1), 70-81.

TAMAI, Silvia. Avaliação de um programa da saúde na qualidade de vida e no estado do bem estar em idosos. Tese (Doutorado em Ciências). Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2010.

TONIOL, Rodrigo. Espiritualidade que faz bem: Pesquisas, políticas públicas e práticas clínicas pela promoção da espiritualidade como saúde. Soc. Relig., Buenos Aires, v. 25, n. 43, p.110-143, maio 2015.

VANTI, N. Da bibliometria à webometria: uma exploração conceitual dos mecanismos utilizados para medir o registro da informação e a difusão do conhecimento. Ciência da Informação, v. 31, n. 2, p. 152-162, 2002. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-19652002000200016

World Health Organization. WHO Traditional Medicine Strategy: 2014-2023, Geneva: WHO Publications, 2013.

Downloads

Published

2023-06-27

How to Cite

RODRIGUES, Y. da S.; DE OLIVEIRA JÚNIOR, M. C. Terapias integrativas e complementares: um estudo bibliométrico acerca da produção científica brasileira. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 592–605, 2023. DOI: 10.46919/archv4n2-021. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1361. Acesso em: 25 jun. 2024.