Femicide in Brazil: premature, preventable and trivialized death of women

Authors

  • Sandra Dircinha Teixeira de Araújo Moraes
  • Italla Maria Pinheiro Bezerra
  • Margarete Afonso
  • Jefferson Drezett
  • Edigê Felipe de Sousa
  • Jose Maria Soares Júnior
  • Edmund Chada Baracat

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n2-010

Keywords:

domestic violence, intimate partner violence, violence against women, aggression, external causes

Abstract

Introduction: Feminicide is considered the maximum expression of gender violence. Brazil is among the countries with the highest rate of feminicide in the world. Between 2001 and 2011, more than 50,000 feminicide were recorded in Brazil, an average of 5,000 cases per year. Objective: To analyze the characteristics and evolution of feminicide rates in Brazil. Method: Ecological study of temporal series with secondary data obtained from the Mortality Information System of the Ministry of Health. We estimate feminicide rates for 2015-2019. The cases of feminicide were analyzed for the following outcomes: type of instrument used by the aggressor, age and race of the woman, and events that preceded feminicide. All analyzes were performed using the Stata 15.1 statistical software. Study is exempt from authorization from the Research Ethics Committee according to resolution 510/2016 of the National Health Council. Results: The absolute number of femicides increased between 2015 and 2019, as well as their participation among the external causes of death of women. We observed probable underreporting of feminicide of transsexual and lesbian women, with 76 cases reported between 2014 and 2017. In 2019, we observed that 60.6% of assaults against women occur in the victim's home, with 36.0% of cases on weekends. The instruments of aggression involved firearms (50.0%), piercing or blunt or blunt instruments (34.0%), and hanging or suffocation (6.0%). Physical abuse, sexual violence, neglect, abandonment, mental cruelty and torture were identified in 14.0% of deaths. Conclusion: Feminicide rates in Brazil are increasing, with probable underreporting of cases among black, transsexual and lesbian women.

References

Nunes ED. United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC). Global Study on Homicide: Trends, Context, Data. Vienna: UNODC; 2011. Cienc Saude Coletiva. 2012;17(12):3447-9. DOI: 10.1590/S1413-81232012001200029. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001200029

Russell DEH. The politics of rape: The victim’s perspective. Bloomington: iUniverse; 2003. 314p.

Russell DEH (editor). Crimes against women: proceedings of the International Tribunal. Frog in the Well; 1984. 294p.

Brasil. Presidência da República. Secretaria Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília; 2006.

Monteiro MFG, Romio JAF, Drezett J. Is there race/color differential on femicide in Brazil? The inequality of mortality rates for violent causes among white and black women. J Hum Growth Dev. 2021; 31(2):358-366. DOI: 10.36311/jhgd.v31.12257. DOI: https://doi.org/10.36311/jhgd.v31.12257

Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres – ONU Mulheres. Diretrizes nacionais feminicídio: Investigar, processar e julgar com perspectiva de gênero as mortes violentas de mulheres. Brasília: ONU Mulheres; 2016. 132p.

Brasil. Presidência da República. Secretaria Geral. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1º da Lei nº 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Diário Oficial da União, Brasília; 2015.

Agência Patrícia Galvão. Dossiê feminicídio. São Paulo: Instituto Patrícia Galvão. Disponível em: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/violencias/feminicidio/.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Atlas da violência 2019. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública; 2019. 116p.

Waiselfisz JJ. Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Brasília: Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais; 2015. 83p.

Vieira PR, Garcia LP, Maciel ELN. Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Rev Bras Epidemiol. 2020;23:e200033. DOI: 10.1590/1980-549720200033. DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200033

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de vigilância em Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Disponível em: http://sim.saude.gov.br/default.asp.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de informações de agravos de notificação (SINAN). Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2016. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2016. 141p.

Brasil. Senado Federal. Observatório da Mulher contra a Violência. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/omv/sobre.

Ministério Público de São Paulo. Núcleo de Gênero. Raio X do feminicídio em São Paulo É possível evitar a morte. São Paulo: Ministério Público de São Paulo; 2018. 24p.

Brasil. Senado Federal. Preocupação com aumento de feminicídios no Brasil motiva debate na CDH. Brasília: Senado Federal; 2019. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/06/17/preocupacao-com-aumento-de-feminicidios-no-brasil-motiva-debate-na-cdh.

G1 Globo. Monitor da violência. Mesmo com queda recorde de mortes de mulheres, Brasil tem alta no número de feminicídios em 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2020/03/05/mesmo-com-queda-recorde-de-mortes-de-mulheres-brasil-tem-alta-no-numero-de-feminicidios-em-2019.ghtml.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União, Brasília; 2003.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília; 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto do Idoso. 2a, ed. rev. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2007. 70p.

Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres – ONU Mulheres. Gênero e COVID-19 na América Latina e no Caribe: Dimensões de gênero na resposta. Brasília: ONU Mulheres; 2020. 3p.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; 2013. 5p.

G1 Globo. Monitor da violência. As mortes violentas mês a mês no país. Disponível em: https://especiais.g1.globo.com/monitor-da-violencia/2018/mortes-violentas-no-brasil/.

Bonita R, Beaglehole T, Kjellström T. Epidemiologia básica. 2.ed. São Paulo: Santos; 2010. 230p.

Bonetti A, Pinheiro L, Ferreira P. Violência contra as mulheres e direitos humanos no Brasil: uma abordagem a partir do Ligue 180*. Anais do XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Associação Brasileira de Estudos Populacionais; 2008.

Grupo Gay da Bahia. Mortes violentas de LGBT+ no Brasil: Relatório 2018. Salvador: Grupo Gay da Bahia; 2018. 25p.

Downloads

Published

2023-06-13

How to Cite

MORAES, S. D. T. de A.; BEZERRA, I. M. P.; AFONSO, M.; DREZETT, J.; DE SOUSA, E. F.; SOARES JÚNIOR, J. M.; BARACAT, E. C. Femicide in Brazil: premature, preventable and trivialized death of women. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 450–465, 2023. DOI: 10.46919/archv4n2-010. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1343. Acesso em: 19 may. 2024.