Análise de correlação entre escore apache II e complicações respiratórias em pacientes vítimas de TCE na UTI

Authors

  • Clara Duailibe Cavalcanti de Albuquerque
  • Eric da Silva
  • Marta Maria da Silva Lira-Batista
  • Denise Falcão Costa Coelho
  • Francisco Magno Lima Alves
  • Maria Eduarda Rodrigues Silva Cardoso
  • Júlia da Silva Veras Sousa

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv4n1-027

Keywords:

APACHE, traumatismos craniocerebrais, prognóstico, complicações

Abstract

O Traumatismo Cranioencefálico (TCE) é considerado um problema de saúde pública com elevada morbimortalidade e altos custos governamentais. Os índices prognósticos são ferramentas de avaliação e estão relacionados com a evolução clínica do paciente. Nessa perspectiva, o APACHE II é uma importante ferramenta para avaliar o prognóstico de pacientes críticos vitimas de TCE. O objetivo desse estudo foi correlacionar a gravidade dos pacientes vítimas de TCE admitidos nas UTIs, através do APACHE II, com a incidência de complicações respiratórias associadas. Foram avaliados 24 prontuários de pacientes vítimas de TCE hospitalizados nas UTIs do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) entre os meses de junho de 2011 a maio de 2012. Houve predominância de pacientes do gênero masculino e a idade média foi de 27±7,7 anos. Em pacientes com valores do APACHE II maior ou igual a 20 observou-se uma maior ocorrência de complicações respiratórias (62,5%), sendo a pneumonia a mais comum, e aqueles que tiveram complicações respiratórias apresentaram mortalidade maior (33%). Portanto, o APACHE II é de grande valia para determinar o prognóstico de complicações respiratórias nos pacientes vítimas de TCE.

References

AZEVEDO L. C. P. Medicina Intensiva Baseada em Evidências. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte: Editora Atheneu, 2009.

ALMANDA C.P.S, MARTINS F., TARDELLI M.A,. Momento da extubação e evolução pós- operatória de toracotomia. Revista da Associação Médica Brasileira, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-42302007000300016

BATISTA, N. L. O. Fatores Associados ao Risco de lesões e óbito de motociclistas envolvidos em ocorrência de transito. Tese Doutorado – Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo – São Paulo, 2008.

CARDOSO, L. G. D. S; CHIAVONE, P. A. O APACHE II medido na alta dos pacientes da Unidade de Terapia Intensiva na predição de mortalidade. Rev. Latino-Am. Enfermagem , Ribeirão Preto, v 21, n. 3, junho de 2013

COUTO, D. O, FEIJO, C. A. R, AGUIAR, S. M. Características de pacientes com lúpus eritematoso admitidos na unidade de terapia intensiva em um hospital universitário brasileiro. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2008; DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-507X2008000300007

FREITAS, E. R. Perfil e gravidade dos pacientes das unidades de terapia intensiva: aplicação prospectiva do escore APACHE II. Revista Latino-Americana de Enfermagem, mai. 2010..

GARCIA, J. C. P. et al. Repercussões da implantação de um guia terapêutico para o tratamento de pneumonia nosocomial adquirida na unidade de terapia intensiva em hospital universitário. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S1806-37132007000200012

JOE B-H; JO U; KIM H-S; PARK C-B. Apache II Score, Rather than cardiac function, may predict poor prognosis in patients with stress-induces cardiomyopathy. Jornal of Korean Medical Science. V. 27, jan. 2012. DOI: https://doi.org/10.3346/jkms.2012.27.1.52

MELO, J. R. T.; SANTANA, D. L. P.; PEREIRA J. L.; RIBEIRO T. F. Traumatismo craniencefálico em crianças e adolescentes na cidade do Salvador - Bahia Arquivo de Neuro- Psiquiatria. São Paulo, v.64, n.4, dez. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0004-282X2006000600020

MINISTÉRIO DA SAÚDE (BR). Portaria n. 3432, e 12 de agosto de 1998. Estabelece critérios de classificação para as unidades de tratamento intensivo – UTI. Diário Oficial da União. Seção 1:108-10. Brasília, 12 de agos de 1998.

MORAES, R.; FONSECA, J. M.; LEONI. Mortalidade em UTI, Fatores Associados e Avaliação do Estado Funcional após a Alta hospitalar*.Revista de Terapia Intensiva. v. 17,

n.2. Junho, 2005.

MORITZ, R. D.; SCHWINGEL, R. F.; MACHADO, O. Critérios Prognósticos de Pacientes Graves: Comparação entre a Percepção dos Médicos e o Índice APACHE II*. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 17 n. 3 , Setembro, 2005.

POMBO, C. M. N.; ALMEIDA, P. C.; RODRIGUES, J. L. N. Conhecimento dos profissionais de saúde na Unidade de Terapia Intensiva sobre prevenção de pneumonia associada à ventilação mecânica. Ciências da saúde coletiva. Rio de Janeiro, v.15, jun. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000700013

ROCCO JR, GUIMARÃES MQ. Pneumonia associada à via aérea artificial. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2001.

SILVA, D.V, XIMENES G. C. Perfil epidemiológico e fatores de risco para mortalidade em pacientes idosos com disfunção respiratória. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2009; DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-507X2009000300005

TRINDADE, L. M. V; LOPES, L. C. S; CIPRIANO, F. B; VENDRAME, L. S; JUNIOR, A. A. Manobra de recrutamento alveolar na contusão pulmonar. Relato de caso e revisão da literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. São Paulo, v. 21, n.1, jan. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-507X2009000100015

Downloads

Published

2023-03-30

How to Cite

DE ALBUQUERQUE, C. D. C.; DA SILVA, E.; LIRA-BATISTA, M. M. da S.; COELHO, D. F. C.; ALVES, F. M. L.; CARDOSO, M. E. R. S.; SOUSA, J. da S. V. Análise de correlação entre escore apache II e complicações respiratórias em pacientes vítimas de TCE na UTI. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 316–326, 2023. DOI: 10.46919/archv4n1-027. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/1304. Acesso em: 23 may. 2024.