Avaliação do índice de contaminação fúngica em doces de leite pastosos comercializados na região sudeste do Brasil

Authors

  • Adriana Novaes Rodrigues
  • João Ozório Rodrigues Neto
  • Cristiane Silveira Cunha
  • Bruno Sarcinelli
  • Cristiane Gorgati Guidorene

DOI:

https://doi.org/10.46919/archv1n6-010

Keywords:

Fungos, Armazenamento, Contaminação, Contaminação fúngica, Segurança alimentar

Abstract

Introdução: A contaminação alimentar pode comprometer a saúde humana, através das micotoxinas. O doce de leite é um alimento perecível, com validade limitada, principalmente, os de origem caseira, onde a falta de uma maior fiscalização, pode gerar aumento da contaminação fúngica. Objetivos: Avaliar o perfil de contaminação por fungos filamentosos nos doces de leite de origem caseira e industrial. Metodologia: Foram analisadas 60 amostras de doces de leite, sendo 30 de origem caseira e 30 industrializados. A metodologia, utilizada para análise, foi à estabelecida pela Instrução Normativa nº 62, de 26.08.2003 do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil. Resultados: Dos 60 doces analisados,35% estava contaminado. não foi encontrada uma diferença estatística significativa entre dos doces caseiros e industrializados, porém, doces industrializados apresentaram maior quantidade de colônias (média de 59,5 ± 26,94 colônias/doce) que nos doces caseiros (média de 30,0 ± 14,89 colônias/doce, MannWhitney p<0,01). Conclusões: Os produtos finais oferecidos aos consumidores de doce de leite encontram-se, em número expressivo, contaminados por fungos filamentosos de potencial patogênico.

Published

2020-12-22

How to Cite

RODRIGUES, A. N. .; NETO, J. O. R. .; CUNHA, C. S. .; SARCINELLI, B. .; GUIDORENE, C. G. . Avaliação do índice de contaminação fúngica em doces de leite pastosos comercializados na região sudeste do Brasil. Journal Archives of Health, [S. l.], v. 1, n. 6, p. 480–483, 2020. DOI: 10.46919/archv1n6-010. Disponível em: https://ojs.latinamericanpublicacoes.com.br/ojs/index.php/ah/article/view/128. Acesso em: 23 jul. 2024.

Most read articles by the same author(s)